Coronavírus: Bolsonaro fará pronunciamento em rede nacional sobre fala da OMS

Bolsonaro cogita novo pronunciamento (Foto: Marcos Corrêa/PR)


O presidente Jair Bolsonaro convocou novamente cadeia nacional de rádio nacional de rádio e televisão para exibir outro pronunciamento sobre o combate ao novo coronavírus na noite desta terça-feira (31), com duração de aproximadamente oito minutos.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Pela manhã, Bolsonaro adiantou a possibilidade de comentar no pronunciamento a fala do diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Leia também

Em resposta a jornalistas, na manhã desta terça-feira, no Palácio da Alvorada, o presidente disse que o diretor-geral da OMS tem o mesmo discurso que ele em relação à pandemia.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

“Vocês viram o que o diretor-presidente da OMS falou? Que tal eu ocupar a rede nacional de rádio e tevê para falar sobre isso? É uma boa ou não?”.

Na véspera, Tedros citou a preocupação com pessoas isoladas em lugares mais pobres do mundo que têm que trabalhar diariamente para ganhar o “pão de cada dia”.

A fala mencionada por Bolsonaro foi extraída de uma entrevista coletiva concedida por ele e por técnicos da OMS na segunda-feira. A declaração do diretor-geral foi uma resposta sobre os impactos das medidas impostas pelo governo da Índia, que impôs restrições de movimentação e fechamento de comércio no país.

Mais cedo, Bolsonaro publicou um vídeo com a parte da fala de Tedros, com legenda, em suas mídias sociais. A OMS, no entanto, continua pregando o isolamento e o distanciamento social como principais medidas contra a Covid-19.

Pronunciamento

Alguns ministros tentaram convencer o presidente a evitar um pronunciamento em cadeia de rádio e televisão com medidas para o enfrentamento ao no país. Eles defendem a manutenção das medidas de distanciamento social e isolamento da população no combate à pandemia e tentam unificar o discurso do presidente com o do Ministério da Saúde.

O grupo acredita também que é melhor evitar mais desgate para o presidente, que vem sendo criticado por atos e discursos contrários ao confinamento.

O presidente reuniu-se nesta tarde com o Conselho de Governo.

No último pronunciamento, no dia 24, o presidente Jair Bolsonaro criticou o isolamento da forma que está sendo realizado pelos estados e disse que a vida dos brasileiros deve continuar, para que os empregos sejam mantidos diante da pandemia de coronavírus. O discurso provocou reações e críticas nas redes sociais.

BASTIDORES

Assessores do Planalto vêem na decisão a influência do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). Prestes a ocupar uma sala no Palácio do Planalto - mesmo sem cargo no governo -, o filho tem assumido os esforços de comunicação para defender a necessidade de retomar as atividades do país em meio a pandemia do coronavírus.

Além disso, ele pretende mostrar as ações adotadas pelo governo durante a crise e dar menos visibilidade ao Ministério da Saúde.