Coronavírus: 60% dos infectados estão nas capitais; Fortaleza e São Luís lideram contágio por habitante

Anita Efraim
·2 minuto de leitura
Unas personas caminan en una calle vacía durante el confinamiento impuesto por el gobierno local para frenar la propagación del nuevo coronavirus en Sao Luis, en el estado de Maranhao, Brasil, el martes 5 de mayo de 2020. (Douglas Junior/Futura Press vía AP)
São Luís, capital do Maranhão, tem 320 casos de coronavírus a cada 100 milhões de habitantes (Foto: Douglas Junior/Futura Press vía AP)

Uma pesquisa feita pelo Programa Cidades Sustentáveis mostra que as capitais do Brasil são as regiões mais atingidas pela pandemia do novo coronavírus. Enquanto 22% das pessoas vivem nesses locais, 60% dos infectados estão nas capitais.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

A capital mais atingida é Fortaleza, onde há 339 casos a cada 100 mil habitantes. Em segundo lugar está São Luís, com 320 infectados a cada 100 mil habitantes e, em terceiro, Recife, com 292. Os dados correspondem ao dia 6 de maio.

Leia também

Tanto São Luís quanto Recife estão entre as cinco cidades em que maior percentual da população vivendo em favelas ou assentamentos precários. Na capital maranhense são 23% dos moradores nessa situação, enquanto no Recife são 22,85%. Os dados são do Censo 2010 do IBGE.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Na análise do estudo, o Programa Cidades Sustentáveis lembra que nas favelas e assentamentos há pouco, ou nenhum, acesso à água, não há coleta de esgotos ou mesmo empregos. “A população se torna ainda mais vulnerável aos impactos do vírus”, alertam.

Uma das formas mais eficazes de combate ao coronavírus é a higiene: lavar constantemente as mãos e limpar tudo o que chega da rua.

“Falta o básico dentro de casa, mas do lado de fora não é diferente. Em tempos de quarentena, até os bicos e atividades informais diminuíram drasticamente. Hospitais estão cheios e são distantes. O transporte público, reduzido, vai na contramão das medidas de distanciamento social. Problemas no atendimento impõem dias de espera para os eletivos aos benefícios do governo”, aponta o estudo.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.