Coronavírus: SP antecipa férias de professores e recomenda suspensão de cultos religiosos

(Foto: Getty Images)

Em coletiva nesta quinta-feira no Palácio dos Bandeirantes, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou que dará férias coletivas aos professores da rede estadual em razão da pandemia do coronavírus. São cerca de 150 mil profissionais, além de 15 mil do Centro Paulo Souza, afetados pela medida.

O governador também recomendou a suspensão, a partir de segunda (23) de missas e cultos da capital e região metropolitana de São Paulo que provoquem aglomerações

Doria também disse que conseguiu fechar acordo com a Associação Paulista de Supermercados para que, a partir de 23 de março, álcool gel possa ser vendido com margem zero de lucro nos estabelecimentos da entidade. Ele tentará fazer o mesmo com farmácias.

Leia também:

O governador também criticou o anúncio de prefeitos da região do ABC em suspender gradativamente o transporte público na região. “Não podemos fazer isso. As pessoas mais carentes não vão conseguir chegar a farmácias ou hospitais. Espero que eles revisem essa medida, colocou.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Ainda sobre logística, Doria reforçou que não se deve fechar aeroportos e estradas em São Paulo. “Não podemos ter limitação de logística. Havia uma ideia de fechar o Porto de Santos. Seria desastroso.”

Conta de água

João Doria também anunciou que vai suspender a conta de água da Sabesp para 506 mil famílias que pagam a tarifa social, aplicada para famílias de menor renda. Ela não será cobrada a partir de 1º de abril pelo período de 90 dias.

Número de casos

O secretário estadual de Saúde, José Henrique Germann, confirmou 240 casos do novo coronavírus e quatro óbitos (todas as vítimas com mais de 60 anos).

Além disso, Germann falou que há 16 casos em que os pacientes estão em estado grave - sendo dois internados no Emílio Ribas.

Germann e o coordenador do comitê que combate o coronavírus em São Paulo, David Uip, reforçaram a ideia de que o Estado irá precisar de 1.400 leitos a mais nos próximos quatro meses para atender os contaminados pelo Covid-19. Isso já contando com os 7.200 leitos já existentes da rede pública paulista.

Já o prefeito Bruno Covas anunciou que irá antecipar as férias de funcionários da Secretaria de Educação.