Coronel bolsonarista que preside a Ceagesp tenta expulsar sindicato, que fala em retaliação

·3 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 15.12.2020 - O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado do presidente da Ceagesp, coronel Mello Araújo, visita as instalações do local e é recebido por seus apoiadores. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 15.12.2020 - O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado do presidente da Ceagesp, coronel Mello Araújo, visita as instalações do local e é recebido por seus apoiadores. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Ex-comandante da Rota e atual diretor-presidente da Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), o bolsonarista Ricardo Nascimento de Mello Araújo enviou carta solicitando que o sindicato dos trabalhadores de centrais de alimentos de São Paulo deixe a sua sede em 15 dias.

Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, o coronel da reserva nomeado por Bolsonaro tem convocado militares “veteranos” para os protestos do dia 7 de setembro na Av. Paulista em apoio ao presidente.

A sede do Sindbast (Sindicato dos Empregados em Centrais de Abastecimento de Alimentos do Estado de São Paulo) ocupa o espaço de 300 metros quadrados na Ceagesp desde 1986.

A direção do sindicato diz que a expulsão é uma retaliação por ter denunciado Mello aos Ministérios Públicos Estadual, Federal e do Trabalho por práticas antissindicais e de perseguição aos trabalhadores.

Em nota, a assessoria de imprensa do Ceagesp diz que não há retaliação ou perseguição e que a mudança decorre de remanejamento interno.

As denúncias do Sindbast afirmam que os trabalhadores da Ceagesp têm sido coagidos por policiais da ativa e da reserva que foram nomeados para trabalhar na companhia por Mello ou que são amigos dele. As representações enviadas aos ministérios públicos listam episódios do tipo.

O presidente do Sindbast, Enilson Simões de Moura, o Alemão, por exemplo, diz já ter sido ameaçado de morte por policiais na Ceagesp. Ele registrou boletim de ocorrência. Em outra ocasião, três funcionários teriam sido coagidos a pedir demissão enquanto um dos aliados de Mello Araújo ameaçava expô-los como ladrões em um programa de televisão, segundo a representação.

“É um sindicato que tem muita ação. Ele quer expulsar o sindicato em 15 dias, ofereceu um mocozinho de 50 metros em que não cabem nem os livros do sindicato. Está fazendo isso por perseguição e vingança contra o sindicato, que agiu em defesa dos trabalhadores”, afirma Alemão.

“Não vamos sair. Vai ter problema. Não vamos desocupar a sede. Estamos aqui há 30 anos. Não é um fascistinha qualquer que vai chegar e tirar a gente daqui”, completa.

“É uma linha ditatorial, uma forma que resgata os piores momentos do Brasil e do movimento sindical. Outro dia o deputado Vicentinho (PT-SP) visitou a Ceagesp e eles colocaram uma fita para proibir a entrada dele no sindicato. Tem a intenção de intimidar e tirar os poderes dos trabalhadores do maior entreposto da América Latina”, afirma Ricardo Patah, presidente da UGT, central sindical à qual o Sindbast está vinculado.

Em nota, o Fórum das Centrais Sindicais repudiou o que chamaram de perseguição coronel Mello aos trabalhadores da Ceagesp e pediu “apoio de todas as entidades para que possamos manter nossas lutas em defesa dos trabalhadores e seus direitos, bem como pela democracia e cidadania.”

A Ceagesp diz em nota que "diariamente apenas três funcionários do sindicato frequentam o espaço de 300 metros quadrados" e que "o local será reorganizado para receber 9 funcionários da Seção de Centro de Qualidade Hortigranjeira (SECQH), 38 da Seção de Economia e Desenvolvimento (SEDES), 13 do Departamento de Entrepostos do Interior (DEINT) e 2 da equipe de Gestão de Risco. Ao todo serão 62 pessoas acolhidas num amplo espaço que atualmente é reservado ao Sindbast."

A companhia ainda afirma que o sindicato será realocado em "espaço, amplo, de 80m², no qual poderá desenvolver suas atividades. Assim como nunca foi cobrado aluguel do sindicado para o atual espaço, o uso da nova sala continuará sendo gratuito."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos