Coronel da reserva vai a ato golpista e xinga oficiais: 'Exército de merda'; vídeo

Coronel da reserva, o militar Adriano Camargo Testoni foi um dos que compareceu ao ato golpista do último domingo, em Brasília. Em um vídeo que é compartilhado nas redes sociais, exaltado, ele ofende generais das Forças Armadas.

Sonar: Parlamentares bolsonaristas apagam posts de apoio aos atos terroristas em Brasília

Atos terroristas no DF: acompanhe a movimentação um dia após a invasão de bolsonaristas à Praça dos Três Poderes

Nas imagens, é possível ver o militar, acompanhado de uma mulher, deixando o ato, fugindo dos efeitos das bombas de efeito moral.

— Bando de generais filhas da p***. Vão tudo tomar no c*. Vanguardeiros de merda. Covardes. Olha o que está acontecendo com a gente — diz ele, ao lado de uma mulher que ele identifica como sua mulher. — Esse nossa Exército é uma merda.

Sobrinho de Bolsonaro, influenciadora de direita, ex-BBB e políticos do PL: os golpistas identificados até aqui

O general de brigada Pinto Sampaio e o general Duarte Pontual estão entre os ofendidos pelo coronel, na reserva desde 2017.

— Vergonha de ter passado 35 anos na caserna e ver agora o povo ser achincalhado. — diz ele em outro gravação.

Procurado, Testoni ainda não se manifestou. Formado na Academia Militar das Agulhas Negras, o coronel da reserva atualmente trabalha no Hospital das Forças Armadas, como assessor da Divisão de Coordenação Administrativa e Financeira.

Em publicações nas suas redes sociais, Testoni compartilha imagens e montagens de caráter golpista, em que pede a prisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em outro, advoga a 'queda do sistema'.

No último domingo, golpistas invadiram e vandalizaram as sedes do Palácio do Planalto, Congresso e Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília.

Os suspeitos de envolvimento nos atos golpistas são investigados. Com o auxílio da Polícia Federal, serão investigadas os hóspedes de hotéis e pousadas de Brasília, além de câmeras de segurança e dados de geolocalização de celulares. Donos dos 87 ônibus que trouxeram bolsonaristas até a capital também prestarão depoimento.