Coronel Nunes defende permanência de Tite na seleção: 'em time que está ganhando, não se mexe'

·2 minuto de leitura

Agora presidente da CBF, Antônio Carlos Nunes, o Coronel Nunes, afirmou, nesta segunda, que as polêmicas recentes envolvendo a entidade são uma “intriga gostosa”. Em entrevista a “O Liberal”, do Pará, terra natal do militar, ele afirmou que o clima na entidade “melhorou” após o afastamento do agora ex-presidente da entidade, Rogério Caboclo, acusado de assédio sexual por uma funcionária.

“Está pegando fogo. Essa intriga do futebol é uma intriga gostosa. Pela segunda vez, estou assumindo, mas não pipocando como agora. E agora me aparece esse pepino. Não é brincadeira, não. É Copa América, é seleção brasileira, jogadores não querendo jogar. É pensar em como administrar bem, como contornar", brincou o mandatário.

Nunes, no entanto, preferiu não dar sua opinião sobre a realização da Copa América no Brasil, tendo em vista o cenário de pandemia, principal motivo para as desistências de Argentina e Colômbia em receber o torneio. Ele ainda demostrou apoio ao trabalho do técnico Tite, antes cotado para deixar o comando da seleção.

"Eu digo assim: não estamos ganhando? Saímos vencedores da Copa América (de 2019). E estamos, praticamente, classificados para a Copa do Mundo. Se ganharmos amanhã (do Paraguai), vamos aos 18 pontos. Aquele ditado: em time que está ganhando não se mexe", disse, elogiando o trabalho do técnico Tite.

O novo presidente da entidade ainda questionou a possibilidade de ser convocado para depor na CPI que investiga o controle da pandemia no país, uma vez que o órgão que agora preside chancelou a realização do torneio no Brasil, mesmo com a uma série de restrições ainda impostas para evitar a proliferação do vírus.

"Não sei se serei convocado para a CPI, que é da covid e não de futebol. Não dá pra meter política com futebol. É a minha opinião. Só se faz perder", disse.