Corpo de triatleta que desapareceu durante competição é encontrado no Rio

Douglas Corrêa - Repórter da Agência Brasil

O corpo do triatleta Gérson Fernandes Neris, de 39 anos, foi encontrado agora à tarde por equipes do Grupamento Marítimo de Salvamento (G-Mar) na Praia do Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio. Ele desapareceu ontem (26), ao disputar  a primeira prova da 1ª Etapa do Rio Triathlon 2017. Gérson entrou no mar para participar da primeira prova, que tem 750 metros de natação, 20 quilômetros de ciclismo e 5 de corrida, e não foi mais visto.

Ele era maratonista e, pela primeira vez, participava de uma prova de triathlon. Como queria competir nesta modalidade esportiva, Gérson procurou um treinador. Sem muito conhecimento do mar, foi aconselhado a se aprimorar na natação para as provas de mar aberto. O corpo do atleta seguirá para o Instituto Médico Legal (IML) para que seja determinada a causa da morte.

A Federação de Triatllon do Estado do Rio de Janeiro, que organiza a prova, informou que cumpre todos os requisitos para garantir a segurança das provas e de seus competidores. Na prova de natação deste domingo, o circuito de 750 metros tinha cinco boias de delimitação do percurso.

Dentro da água, 20 guarda-vidas acompanhavam a prova, sendo três em jet skis e 17 em pranchas de stand-up paddle. Além disso, oito guarda-vidas acompanhavam a prova de uma torre de observação. A segurança da prova foi feita por uma empresa especializada em competições no mar.

Gérson passou pelo processo de check-in, que antecede a entrada no mar às 6h53 e iniciou a prova às 7h. Às 7h30, quando se percebeu que ele não pegou a bicicleta para a próxima parte da competição, as buscas tiveram início.

Os guarda-vidas tiveram apoio de lanchas, jet skis e até um drone para achar o corpo do triatleta. O presidente da Federação de Triatllon, Julio Alfaya, disse que a entidade está dando todo apoio à família de Gérson.