Corpos de cabeleireira e de filhos vítimas de chacina são enterrados em Goiás

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Foram enterrados nesta segunda-feira (23), em Planaltina de Goiás (GO), os corpos de Elizamar da Silva, 39, e de três filhos dela, os gêmeos Rafael e Rafaela, 6, e Gabriel, 7.

Os corpos da cabeleireira e das crianças foram encontrados carbonizados no dia 13 deste mês, em Cristalina (GO), dentro do carro da família -e deram início a uma investigação que mobiliza as polícias de Goiás, do Distrito Federal e de Minas Gerais.

Cinco pessoas, incluindo o marido de Elizamar, Thiago Gabriel Belchior, ainda estão oficialmente desaparecidas. A família diz acreditar que dois corpos localizados no dia 14 no carro do pai de Thiago, em Unaí, Minas Gerais, sejam da irmã e da mãe dele.

Já o corpo do pai de Thiago e sogro de Elizamar, Marcos Antônio Lopes de Oliveira, foi encontrado esquartejado na última quarta-feira (18) em um local onde teria funcionado um cativeiro para manter parte da família, em Planaltina, Distrito Federal.

O filho mais velho da cabeleireira, Ivonilson Silva, 23 pediu justiça para a mãe e os irmãos. "Que esses caras paguem pelo que fizeram com a minha mãe e meus irmãos. Eu estou péssimo, minha irmã está péssima. Todo mundo da família está destruído. [Quero o] pior para eles, é o que eu posso dizer", afirmou ele.

"Tudo o que eu precisava, [ela] cuidou de mim da melhor forma que ela pôde, de mim e da minha irmã. Quero ter as boas lembranças dela. Todo mundo gostava dela, todo mundo tem uma lembrança boa da minha mãe. [Ela era] querida por todo mundo."

A irmã de Ivonilson, que não quis se manifestar, foi quem registrou o desaparecimento da mãe e dos irmãos, no dia 12 de janeiro.

Desde então, o crime tem chocado e intrigado os moradores da região. Muitos acompanharam o velório da mulher e das crianças nesta segunda, no Cemitério Municipal Redenção, mesmo sem conhecer a família.

"[Se] essa situação comoveu o Brasil inteiro, imagina a nossa família. Nossa família está despedaçada. Mais uma vez sem palavras, sem sentimentos. Na verdade, parece que eu estou flutuando nessa terra. Não só eu, mas toda a nossa família", afirmou Ismael da Silva Rocha, irmão de Elizamar.

Até esta segunda, três pessoas estavam presas. Um dos homens, preso na última terça-feira (17), disse à Polícia Civil do DF que a morte da mulher e das crianças tinha sido encomendada pelo marido e pelo sogro dela para tomar o dinheiro da venda de uma casa e de um empréstimo bancário.

O caso sofreu uma reviravolta, no entanto, depois que o corpo do sogro também foi localizado. Agora, a Polícia Civil tenta descobrir se Marcos e Thiago tiveram alguma participação na morte da cabeleireira ou se também foram vítimas do crime.

A Polícia Civil do Distrito Federal procura por um quarto suspeito. O homem de 26 anos, identificado como Carloman dos Santos Nogueira, está foragido.

Nesta segunda, a corporação encontrou papéis com anotações e senhas de cartões bancários no cativeiro onde parte das vítimas foi mantida. Entre as anotações, estava um bilhete usado pelos criminosos para atrair Elizamar, Thiago e as três crianças para uma chácara.

"Chefe, como está seu dia. Vou precisar de ajuda urgente. Thiago tem como vc [você] vim na chácara que eu vou explicar o que [está] acontecendo. Se puder vim hoje com Liza e os meninos", diz o conteúdo de um dos bilhetes encontrados pela polícia.

Responsável pelas investigações no Distrito Federal, a 6ª Delegacia de Polícia, do Paranoá, ainda não sabe quem escreveu o bilhete nem como Thiago -descrito como "chefe"- recebeu a mensagem. Liza, segundo a polícia, era uma referência a Elizamar.