Presidente eleito convida partidos a formar governo de unidade na Costa Rica

San José, 2 abr (EFE).- O presidente eleito da Costa Rica, Carlos Alvarado, enviou nesta segunda-feira uma carta aos partidos políticos do país na qual os convidou a formar um governo de união nacional para resolver os problemas do país.

Na carta, Alvarado, do governista Partido Ação Popular, convida para uma reunião nesta mesma semana os dirigentes e deputados eleitos dos partidos Libertação Nacional, Unidade Social-Cristã, Integração Nacional, Restauração Nacional, Frente Ampla e Republicano Social-Cristão, os que terão representação no Congresso além de sua própria legenda.

"O povo costarriquenho me encomendou a responsabilidade de assumir a Presidência da República e o fez com o mandato claro de formar, no bicentenário de nossa independência, um Governo de União Nacional que convoque as diferentes forças políticas em torno de uma agenda comum pelo desenvolvimento e pelo bem-estar do país", disse Alvarado na carta.

O novo presidente enfrentará um cenário de fragmentação no Congresso que lhe obrigará a estabelecer alianças, pois o seu partido só conseguiu dez dos 57 deputados que integram o Legislativo costarriquenho.

O social-democrata Partido de Libertação Nacional, o mais tradicional do país, conseguiu 17 deputados; o evangélico Restauração Nacional 14; o Unidade Social-Cristã nove; o Integração Nacional quatro, o Republicano Social-Cristão dois e o esquerdista Frente Ampla, um.

O presidente eleito disse hoje que o interesse da reunião com as autoridades de cada partido está na convicção de que, nos "200 anos de independência" da Costa Rica, "a tarefa que o povo encomendou ao novo governo é a de trabalhar sobre a base" que une os cidadãos costarriquenhos.

No ano de 2021, a Costa Rica comemorará 200 anos de sua independência da Espanha.

Carlos Alvarado começará a governar no dia 8 de maio para um mandato de quatro anos e afirmou na carta que terá "a melhor das vontades para construir pontes e toda a disposição para o diálogo e para ouvir" as diversas partes.

A ideia de um governo de União Nacional foi proposta por Alvarado durante a campanha para o segundo turno, quando ele assinou um compromisso com o ex-candidato do Partido Unidade Social-Cristã Rodolfo Piza, que aderiu a sua candidatura.

Figuras e ex-ministros de outros partidos políticos também deram apoio a Alvarado antes do segundo turno.

Carlos Alvarado ganhou o segundo turno com 60,7% dos votos, contra 39,3% de seu rival Fabricio Alvarado, do evangélico e conservador Partido da Restauração Nacional. EFE