Correios | Alibaba e Amazon podem estar interessadas em comprar a estatal

Wagner Wakka

O caminho para a privatização dos Correios tem ganhado mais força nos últimos meses. Embora o novo presidente da companhia, Floriano Peixoto, negue a intenção de tornar privada a estatal, é sabido que ele se alinha com ideais do presidente da República Jair Bolsonaro, favorável à venda.

É neste contexto que uma novo rumor foi levantado pela coluna Esplanada, do jornal O Dia. O artigo publicado nesta segunda-feira (24) cita fontes próximas aos Correios e afirma que há uma negociação entre Alibaba e Amazon para comprar a estatal.

As possibilidades, segundo a coluna, são duas. A primeira é a de que ambas entrem em uma disputa pela compra, o que poderia aumentar o preço de venda. Outra seria um acordo entre elas para, juntas, comprarem a estatal.

O objetivo seria aproveitar a infraestrutura logística já instalada pela empresa, o que poderia agilizar as ofertas de entregas de ambos serviços no Brasil. No caso de acordo entre elas, entraria também um banco nacional junto com a compra. Tal instituição financeira aproveitaria o serviço postal dos Correios, enquanto as duas ficariam com a logística de entrega.

O Canaltech entrou em contato com assessorias dos Correios, Amazon e Alibaba e aguarda posicionamento oficial. Até o momento, nenhuma das empresas confirmam as negociações.

Privatização 

Os rumores sobre a privatização dos Correios começaram em abril, com uma entrevista de Paulo Guedes, ministro da Economia. Falando à GloboNews, o ministro respondia sobre a privatização da Petrobrás e sinalizou que era exagerado confirmar essa venda, mas que “outra estatal estava em negociação”. Embora não tenha revelado qual, o governo já demonstrava sinais sobre os Correios.

No mesmo mês, o governo confirmou o interesse na privatização com publicação do próprio presidente da República:


Outra informação oficial sobre o assunto só viria em maio, em uma postagem da página oficial do ministério da Economia. Bolsonaro se reunião com Secretário de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar, em uma reunião sobre o assunto.

O motivo da negociação seria desonerar o estado. “Decisões equivocadas causaram um rombo de mais de R$ 11 bilhões no fundo de pensão dos funcionários dos Correios, o Postalis”, disse o secretário. Ainda segundo a pasta, apenas o plano de saúde dos funcionários da empresa já criou um “rombo de R$ 3,9 bilhões”, apontou em tweet na época.


Segundo a Agência Brasil, a estatal tem 356 anos de existência. A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos é subordinada hoje ao Ministério das Comunicações, Ciência, Tecnologia e Inovação. Após prejuízos registrados entre 2103 e 2016, a estatal registrou lucro de R$ 161 milhões em 2018 e de R$ 667,3 milhões em 2017.

Outra mudança que levantou a suspeita de que as negociações estariam em andamento foi a mudança do presidente dos Correios. O general Juarez Aparecido de Paula Cunha foi exonerado na última quarta-feira (19) por ter tirado foto ao lado de políticos que Bolsonaro considera de esquerda. Contudo, outro motivo seria sua resistência à privatização da empresa.

ATUALIZAÇÃO:

Após publicação desta matéria, a assessoria dos Correios respondeu negando que o rumor seja real. "Não, a nova gestão dos Correios trabalha para o fortalecimento da empresa e a recuperação dos índices de eficiência", apenas informou a nota por e-mail.

Também por e-mail, a Amazon preferiu não se pronunciar sobre o assunto, informando que a empresa não comenta rumores.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: