Corte dos EUA confirma acordo da Odebrecht para pagar multas

(Arquivo) A Justiça colombiana condenou nesta terça-feira a cinco anos de prisão o ex-vice-ministro dos Transportes Gabriel García Morales, por corrupção envolvendo contratos com o grupo brasileiro Odebrecht

Uma corte federal de Nova York validou nesta segunda-feira um acordo aceito pela Odebrecht para pagar 2,6 bilhões de dólares a Estados Unidos, Suíça e Brasil por um complexo sistema de subornos.

A sentença do juiz Raymond Dearie, do distrito do Leste de Nova York, confirmou o acordo entre o Departamento de Justiça americano e a Odebrecht anunciado em dezembro, segundo documentos judiciais.

Dos 2,6 bilhões de dólares, os Estados Unidos receberão 10% e Suíça outros 10%, enquanto que os 80% restantes ficarão no para Brasil, cerca de 2,391 bilhões de dólares.

Uma filial da Odebrecht, a Braskem, não mencionada pela corte, também concordou em pagar 957 milhões de dólares no que segundo a justiça é o maior caso em sua jurisdição por subornos pagos por empresas estrangeiras.

Segundo o Departamento de Justiça, as duas empresas, que operam na Bolsa de Nova York, utilizaram o sistema financeiro e bancário dos Estados Unidos para pagar "centenas de milhões de dólares em subornos".

A investigação nos Estados Unidos determinou que a partir de 2001 Odebrecht pagou cerca de 788 milhões de dólares a funcionários governamentais e partidos políticos em diversos países para garantir contratos.