Costa Rica recebe US$ 54,1 milhões do Fundo Verde pela redução de emissões

·2 minuto de leitura
Um grupo de turistas faz um tour em uma fazenda, onde as plantações compensam a pegada de carbono de seus visitantes em Heredia, Sapiqui, Costa Rica
Um grupo de turistas faz um tour em uma fazenda, onde as plantações compensam a pegada de carbono de seus visitantes em Heredia, Sapiqui, Costa Rica

O Fundo Verde para o Clima (GCF) concedeu à Costa Rica 54,1 milhões de dólares para a proteção de suas florestas, em reconhecimento às conquistas do país na redução de emissões, informou o governo nesta terça-feira (10).

Os recursos não reembolsáveis foram concedidos na forma de "pagamento por resultados", através do qual o GCF reconhece os esforços dos países para responder à crise climática e disponibiliza fundos para a continuidade das políticas consideradas bem sucedidas.

"O apoio financeiro em que se traduz este reconhecimento internacional nos permitirá fortalecer dois programas cruciais", afirmou a ministra do Meio Ambiente, Andrea Meza, em nota.

Ela citou o programa Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), que destina recursos para a preservação de florestas e beneficia 24 mil pessoas, e o de Controle de Incêndios Florestais.

A ministra destacou que a crise financeira que o país centro-americano enfrenta, agravada pela pandemia de covid-19, colocou esses dois programas em risco.

A Costa Rica tornou-se, assim, o primeiro país da América Central a receber recursos do GCF, um mecanismo criado no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas.

O fundo acatou a proposta da Costa Rica de reconhecer a captura de 14,7 milhões de toneladas de dióxido de carbono por suas florestas no período de 2014 a 2015.

O PSA fornece recursos para proprietários que preservam as florestas e foi considerado essencial para a Costa Rica aumentar sua cobertura florestal de cerca de 25% na década de 1980 para 52% hoje.

O território da Costa Rica concentra 6% da biodiversidade do planeta, segundo dados oficiais.

A maior parte dos projetos de PSA é financiada com um imposto sobre combustíveis, mas o governo reconheceu que a pandemia causou uma severa queda dessas receitas.

"A Costa Rica mostra ao mundo que a sustentabilidade ambiental é economicamente viável e socialmente inclusiva", destacou José Vicente Troya Rodríguez, representante do Programa da ONU para o Desenvolvimento (PNUD) no país.

mas/ll/ic/mvv