Covas critica Bolsonaro, apoiador de Russomano: “Parece que não foi um bom negócio”

·3 minuto de leitura
Bruno Covas vota em São Paulo - Foto: Globonews/Reprodução
Bruno Covas vota em São Paulo (Foto: Globonews/Reprodução)

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), criticou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), apoiador de Celso Russomanno (Republicanos).

"Parece que não foi um bom negócio para o presidente Jair Bolsonaro se meter nas eleições em São Paulo”, teria dito Covas à jornalista Natuza Nery, da GloboNews. Candidato à reeleição, o prefeito rejeitou um possível apoio de Bolsonaro no segundo turno.

Covas aparece como favorito na boca de urna, divulgada pelo Ibope, com 33%. Em segundo lugar está Guilherme Boulos (PSOL), com 25%. Russomanno teria 8% das intenções de voto, empatado com Jilmar Tatto (PT) e Arthur do Val (Patriota).

Confira os votos válidos no boca de urna em SP:

  • Bruno Covas (PSDB): 33%

  • Guilherme Boulos (PSOL): 25%

  • Márcio França (PSB): 13%

  • Arthur do Val Mamãe Falei (PATRIOTA): 8%

  • Celso Russomanno (Republicanos): 8%

  • Jilmar Tatto (PT): 8%

  • Joice Hasselmann (PSL): 2%

  • Andrea Matarazzo (PSD): 1%

  • Levy Fidelix (PRTB): 1%

  • Marina Helou (REDE): 1%

  • Antônio Carlos (PCO), Orlando Silva (PCdoB) e Vera (PSTU) tiveram menos de 1%.

De acordo com a pesquisa, os indecisos, brancos e nulos somaram 13%. No entanto, não foram contabilizados aos votos válidos apresentados acima.

A margem de erro da pesquisa Ibope é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Foram entrevistados 6.000 eleitores neste domingo (15). O levantamento, registrado no TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) no número SP-00742/2020, conta com um nível de confiança de 99%.

Eleições municipais em São Paulo

As Eleições 2020 movem praticamente todo país neste domingo. Por conta do coronavírus, essa tem sido uma eleição diferente, com horários estendidos e mais critérios de segurança sanitária.

Quase 9 milhões de paulistanos irão às urnas para escolher o novo prefeito e a nova composição da Câmara de Vereadores da capital paulista.

Uma questão que levanta muitas dúvidas ao longo processo é o famoso coeficiente eleitoral. Bem resumidamente, é a divisão do número de eleitores pelo número de vagas (nós explicamos com detalhes AQUI). Cada cidade, então, tem seu coeficiente eleitoral.

O município de São Paulo tem 8.986.687 eleitores aptos a votar nas Eleições 2020, e se a Câmara disponibilizou 55 cadeiras para vereadores, basta dividir 8.986.687 por 55, que resulta em 163.394 votos individuais.

Se você ainda não votou, leve de preferencialmente uma caneta própria para assinar o caderno dos mesários. E não se esqueça de conferir quais são os documentos necessários para votar. Por conta da pandemia, as urnas estão abertas das 7h às 17h (horários de Brasília).

Caso não esteja presente na cidade onde você está apto para votar, é possível justificar seu voto. Para saber como, siga nosso guia clicando AQUI. O segundo turno ocorrerá em dois domingos, no dia 29 de novembro de 2020.

O que faz um prefeito?

O Estado se divide em três poderes o Executivo, Legislativo e Judiciário, e o prefeito é o chefe do Poder Executivo. Ou seja, é responsabilidade do prefeito administrar a cidade que exerce suas funções. Para mais detalhes da função CLIQUE AQUI e para saber quanto ganha um prefeito, CLIQUE AQUI.

O que faz um vereador?

Eleito por votos da população, o vereador que é um agente político, trabalha no Poder Legislativo da esfera municipal da federação brasileira. Lembrando que o Brasil é dividido em três grupos de poder: União, Estados e Municípios. Pode-se dizer que o vereador exerce um papel similar ao dos deputados e senadores fazem nas esferas Estados e União. Para mais detalhes da função CLIQUE AQUI e para saber quanto ganha um vereador, CLIQUE AQUI.