Covas suspende aulas em SP e aumenta leitos de UTI; lotação é de 83%

João de Mari
·2 minuto de leitura
Bruno Covas, (PSDB) Mayor of São Paulo, during a press conference on measures to combat the Coronavirus, (COVID-19) on Thursday, November 12, 2020 at the Palácio dos Bandeirantes in Sao Paulo, Brazil. During the press conference João Doria spoke about the São Paulo F1 GP and the Usina São Paulo concession contract, in Rio Pinheiros. (Photo: Roberto Casimiro/Fotoarena/Sipa USA)(Sipa via AP Images)
Segundo o último boletim de saúde da prefeitura, a capital tem 83% das vagas em UTI ocupadas e 76% de enfermaria cheios (Foto: Roberto Casimiro/Fotoarena/Sipa USA)

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou nesta sexta-feira (12) a supensão das aulas presenciais na capital paulista a partir da próxima quarta-feira (17). A medida valerá, no mínimo, até o dia 1º de abril e é uma tentativa de combater o aumento de casos de Covid-19.

"Essa medida se faz necessária para que a gente possa conter o avanço do vírus na cidade. A suspensão de aulas presenciais vale para a rede privada, para rede pública estadual e rede pública municipal na cidade de São Paulo", afirmou Covas.

Leia também:

A suspensão das aulas presenciais valerá para todas as escolas, tanto públicas quanto particulares, da cidade de São Paulo. Com o feriado de Páscoa, no dia 4 de abril, sendo que a Sexta-feira Santa será no dia 2 de abril, as aulas presenciais só deverão voltar no dia 5 de abril. 

Durante coletiva de imprensa virtual, Covas ainda afirmou que a cidade de São Paulo abrirá 555 novos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e enfermaria especializados no tratamento de pacientes com coronavírus. Segundo o último boletim de saúde da prefeitura, a capital tem 83% das vagas em UTI ocupadas e 76% de enfermaria cheios.

Nesta quinta-feira (11), o governador João Doria (PSBD) já havia decretado uma fase emergencial do Plano SP, com redução dos serviços essenciais e restrições à circulação de pessoas. A medida foi tomada para combater a disseminação do vírus pelo estado que enfrenta a pior situação da pandemia.

Como parte da medida, Doria anunciou a suspensão presencial para as aulas da rede estadual. Mas, as escolas particulares poderão continuar funcionando durante a fase emergencial. A nova etapa de restrição começará a valer no dia 15 de março e tem vigência de duas semanas.

Como será a fase emergencial

Na fase emergencial, não poderão haver atividades esportivas, lojas de material de construção terão de fechar, assim como os serviços de retirada de todos os setores. O campeonato Paulista de futebol também será suspenso. Os jogos serão paralisados entre 15 e 30 de março. Dessa forma, as partidas do fim de semana poderão acontecer.

Os cultos religiosos também estão suspensos, mas as igrejas vão continuar abertas para aqueles que quiserem rezar de forma individual.

Drive-thrus e serviços de delivery de restaurantes e outros estabelecimentos comerciais poderão funcionar 24 horas por dia.

As escolas particulares poderão ficar abertas e podem receber até 35% dos alunos na sala de aula. No entanto, o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, recomendou que as atividades presenciais sejam reduzidas "ao mínimo possível". "Se ela puder fazer a distância, faça a distância", declarou.