Covid-19 é alerta para encerrar discriminação de trabalhadores imigrantes, dizem ativistas

·1 min de leitura
Trabalhadores imigrantes com Covid-19 em Cingapura

Por Poppy McPherson e Mei Mei Chu

KUALA LUMPUR (Reuters) - A falta de mão de obra global e o tratamento ruim a trabalhadores imigrantes, exacerbados pela pandemia, deveriam servir para induzir governos a tratar sua força de trabalho estrangeira justamente, ao invés de vê-los como "ocupantes", disseram ativistas nesta quinta-feira.

Em um painel da conferência Reuters Next, ativistas laborais asiáticos disseram que a pandemia de coronavírus revela quantas economias não conseguem funcionar eficazmente sem trabalhadores importados de outros países, como as Filipinas e a região vietnamita do Mekong.

Ao mesmo tempo, porém, estes milhões de trabalhadores são discriminados nos países que os recebem, sendo forçados a morar em dormitórios apertados, separados da população geral e privados da proteção social e do acesso a informações sobre a Covid-19.

"A pandemia ressaltou uma série de problemas estruturais que já existem há muito tempo", disse Reiko Harima, coordenador regional da Rede de Migração do Mekong.

Em Cingapura, foram necessários fechamentos de fronteira que desencadearam uma falta de mão de obra grave para mudar o desequilíbrio de poder entre empregadores e trabalhadores imigrantes, disse Alex Au, vice-presidente da Trabalhadores Temporários Também Contam (TWC2).

Há tempos os trabalhadores imigrantes são tratados como uma força de trabalho invisível e vistos pelos países que os recebem como indignos de confiança e ruins para a economia, embora ocupem postos que os moradores não desejam, disseram os membros do painel.

Para acompanhar Reuters Next: https://reutersevents.com/events/next

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos