Covid-19: Ômicron impulsiona vacinação na cidade do Rio

·2 min de leitura

Com o aumento do número de casos de Covid-19 no Rio, no início deste ano, e o surgimento da variante Ômicron, cariocas estão correndo aos postos para se vacinar. Segundo o painel da prefeitura do Rio, nos últimos dois dias, foram aplicadas 1.853 primeiras doses.

Dos 26 pacientes internados com Covid, nesta quarta-feira, na rede SUS da capital, 12 não se vacinaram contra a doença. Apenas dois deles receberam o reforço do imunizante. Ainda segundo a prefeitura, seis tomaram só a primeira dose e outros seis estavam com duas doses.

Na cidade, há mais de 13 mil idosos e mais de 16 mil jovens, de 12 a 17, que não se imunizaram. Com apenas uma dose da vacina, ou seja sem a proteção necessária, há mais de 520 cariocas. O maior grupo que ainda não voltou aos postos para completar o ciclo básico de imunização é o de adultos de 20 a 29 anos: 144.697, de acordo com o painel da prefeitura.

Cientistas afirmam que a dose de reforço é a principal barreira contra a Ômicron, que tem se disseminado com grande velocidade, mas sem provocar aumento de internações e mortes.

Desde segunda-feira, o cenário é de longas filas de pessoas com sintomas da doença em postos de saúde, farmácias e laboratórios. O aumento da procura por testes após o período de festas coincide com a chegada da Ômicron ao município. O painel da prefeitura mostra que, dia 12 de dezembro, apenas 18 pessoas tiveram o diagnóstico da doença. No dia 25, o número de infectados pulou para 269 e, em 1º de janeiro, saltou para 1.238. Em uma semana, do Natal para o réveillon, a alta foi de 360%. Se considerar o período de 20 dias, a escalada foi de 6.778%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos