Covid-19: após Bolsonaro considerar dispensar máscara para vacinados, Paes cobra uso por todos os cariocas

·3 minuto de leitura

RIO — Um dia após o presidente Jair Bolsonaro falar em dispensar o uso de máscara para vacinados, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, reforçou que o item deve ser usado por todos os cariocas. Pela legislação municipal, o uso de máscara é obrigatório, sem distinção entre imunizados e não imunizados. E, segundo determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), estados e municípios têm autonomia para legislar como quiserem no combate à Covid-19.

— A gente está muito animado com a vacinação. Estamos acelerando. Semana que vem chegamos a 50 anos. Temos aí 46% da população já vacinada com a primeira dose. Se conseguirmos seguir esse ritmo em junho e julho, pode ser que aquele calendário de 23 de outubro seja antecipado. São notícias boas, otimismo. Ontem, até confessei nas redes que a possibilidade de ter carnaval me estimula todo dia a acelerar a vacinação. Mas ainda temos muita gente internada nos hospitais. Cuidados mínimos devem ser mantidos, entre eles o uso da máscara. É quente, chato, mas é necessário. Pedimos aos cariocas: estamos chegando lá, não vamos esmorecer — disse Paes.

O secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, salientou que o cenário epidemiológico da cidade ainda causa preocupação:

— Os efeitos da vacina começam ser sentidos pela sociedade, mas é precipitado abrir mão das medidas sanitárias. Não é hora de relaxar. Temos 1.300 pessoas internadas por Covid-19. Estamos nos meses de maior sazonalidade para a gripe, que são os meses de inverno. É importante reforçar o uso das máscaras. Falta pouco. Está duro, mas falta pouco. Precisamos conter esse afã de voltar à normalidade, porque o risco de contágio ainda é muito alto.

As declarações foram feitas na divulgação do 23° boletim epidemiológico da cidade. Segundo o relatório, todas as 33 Regiões Administrativas (RAs) do Rio seguem com alto risco de contaminação para a Covid-19.

Nesse contexto, a prefeitura resolveu estender as medidas de proteção decretadas no último dia 28 até 28 de junho. Rodas de samba continuam liberadas, e bares e restaurantes permanecem funcionando sem restrição de horário. Mas seguem proibidas as festas, assim como a atividade de boates e danceterias.

Copa América

O prefeito também comentou a realização da Copa América no Brasil. Ele disse que os protocolos sanitários anunciados pela Conmebol, organizadora do torneio, vão ao encontro das regras estipuladas pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para jogos de futebol no Rio.

— Nós recebemos finalmente a comunicação oficial da Conmebol apresentando o plano sanitário deles para a realização dos jogos da Copa América. Todo esse plano sanitário respeita aquilo que é determinado pela Prefeitura do Rio, do que se pode fazer dentro do decreto. Ontem o secretário Soranz me informou que eles estão seguindo os protocolos adequados, tomando os cuidados necessários para que os jogos não sejam um problema pra cidade. O Rio aceita jogos de futebol sem público — disse Paes.

Segundo Soranz, a Secretaria municipal de Saúde não abriu nem abrirá qualquer exceção para os jogos da Copa América:

— As regras para a Copa América já estavam bem claras. O decreto assinado pelo prefeito proíbe torcedores em estádios e traz outros protocolos para hotéis e para a circulação pela cidade. É um protocolo bem rígido. As normas da Copa América estão alinhados com as da prefeitura. Não há nenhuma exceção para eles e não haverá. Esperamos que eles cumpram os protocolos que eles mesmos fizeram.

Situação da Covid-19

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, o número de atendimentos na rede de urgência e emergência da cidade para casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG), um dos principais indicadores usados pela prefeitura, segue uma tendência de estabilidade depois da queda registrada após o último pico, em abril.

Já o número diário de novas confirmações da Covid-19 se encontra em queda há duas semanas. E o número de óbitos está declínio há cinco semanas.