Covid-19 assombra as escolas da Nicarágua, que nunca interrompeu as aulas

Julia RIOS
·4 minuto de leitura
Estudante passa em frente a um grafite na Escola Pública Villa Austria, em Manágua, 29 de abril de 2021

Vários colégios particulares da Nicarágua optaram por suspender as aulas presenciais, em meio a um aparente repique de casos de covid-19, que também afeta escolas públicas em um país onde não foram adotadas grandes medidas de contenção da pandemia.

O aumento dos contágios de covid-19 foi alertado por especialistas independentes, sobretudo depois de atividades que provocaram aglomeração após a Semana Santa.

No entanto, o tema é tratado como um tabu diante do rigoroso zelo do governo do presidente Daniel Ortega, que pede para não gerar alarme, enquanto ocorrem discrepâncias em relação à cifra real de contágios.

Segundo declarou à AFP a coordenadora da opositora Unidade Sindical Magisterial, Lesbia Rodríguez, nos colégios públicos o Ministério da Educação orientou os diretores para, caso alunos ou professores sejam afetados com tosse, febre ou outros sintomas, "não sejam alarmistas, que é uma gripe e agora tudo é covid-19".

Enquanto isso, Jorge, um aluno do quarto ano de um colégio público, comentou: "Os professores nos disseram que alguns estudantes foram contagiados e são mandados de volta para casa, mas não dizem se vão suspender as aulas. Eu tenho medo de pegar isso (a covid-19)".

- Nunca pararam -

As escolas na Nicarágua, com uma população escolar de mais de um milhão de alunos, não pararam suas aulas em nenhum momento da pandemia em 2020 e começaram normalmente o ano letivo de 2021. Uma medida da qual o governo se orgulha.

O colégio particular Pureza de María, no leste de Manágua, anunciou que vários pais reportaram casos de covid-19 em suas casas.

"Analisando a situação, vimos que afeta diversas séries" e por isso a direção decidiu, como medida preventiva, "suspender as aulas presenciais (...), passando à modalidade on-line", segundo um documento distribuído aos responsáveis.

A escola normal María Mazarrello (oeste) e o centro escolar Enrique de Osso (sudeste), situados em Manágua, assim como o Colégio Divino Pastor (em Diriamba), todos particulares, tomaram decisões similares diante de casos suspeitos de covid, e passaram a oferecer aulas virtuais.

Outros colégios como o Centroamérica, dos jesuítas, retiraram os alunos de um setor onde foi detectado um menino com sintomas.

A suspensão das aulas é temporária e em alguns colégios se estende até 10 de maio.

Enquanto isso, a particular Universidade Politécnica da Nicarágua (UPOLI) detectou casos de covid-19 em estudantes e familiares, pessoal administrativo e seu entorno familiar, mas não optou por suspender as aulas e pediu à comunidade para observar as medidas de biossegurança, segundo uma circular divulgada em suas redes sociais.

- Repique "evidente" -

"É evidente que há um repique da covid-19, temos uma consulta maior de casos, hospitalização e fechamento de colégios por pessoas infectadas na comunidade", explicou à AFP o infectologista Carlos Quant.

Ele considerou que era previsível porque a população relaxou as medidas de biossegurança na Semana Santa, quando mais de 300.000 pessoas viajaram para as praias.

Em seu discurso diário pela mídia oficial, a vice-presidente, Rosario Murillo, não se referiu ao que acontece nas escolas, nem aos alertas dos especialistas, embora tenha pedido à população para continuar se cuidando, usar máscaras e lavar as mãos.

Mas ao mesmo tempo, a também primeira-dama pediu para "continuar realizando nossas atividades culturais, sociais e esportivas em espaços abertos".

Para o epidemiologista Leonel Arguello, os contágios que estão aparecendo nas escolas são um sintoma de que a curva de infectados está subindo. "As aglomerações continuam, isso é semear a doença para colhê-la posteriormente", comentou.

Com 6,5 milhões de habitantes, a Nicarágua não adotou medidas restritivas para conter a covid-19 e, segundo informes oficiais, soma 6.898 casos e 182 mortes.

Mas, o Observatório Cidadão, uma plataforma de médicos e cidadãos, contabiliza em 13.806 os contágios e em 3.055 as mortes suspeitas ou associadas com a pandemia.

O país realiza uma vacinação voluntária para pessoas maiores de 60 anos com imunizantes da AstraZeneca doados via mecanismo Covax, da OMS.

E recentemente recebeu um crédito de 100 milhões de dólares do Banco Centro-americano (BCIE), para a compra de 6,8 milhões de doses.

Embora a sindicalista Rodríguez tenha considerado que o melhor para os alunos seja o ensino presencial, como recomenda o Unicef, ela mencionou que algumas escolas não têm água ou não aplicam medidas de prevenção.

Ela considerou que no sindicato houve 52 professores falecidos em 2020 e este ano, pelo menos três, embora se acredite que a cifra possa ser maior. "O que acontece é que disfarçam (a covid-19) com outras doenças", lamentou.

jr/mav/lda/mvv