Covid-19: China registra maior número de casos em seis meses e não dá sinais de flexibilização

A China divulgou neste domingo o maior número de casos de infecções por Covid-19 em seis meses. Segundo a Comissão Nacional de Saúde do país ao todo foram 4.420 registros — o maior número desde 6 de maio, e superior também aos 3.659 casos registrados no sábado. As restrições e lockdowns tornaram-se mais frequentes pela região após a disseminação da altamente transmissível cepa Ômicron.

Costas curvadas, mãos de garra: Cientistas mostram como os humanos poderão parecer no ano 3000, graças à dependência da tecnologia; veja fotos

Osteoporose: saiba como reduzir riscos da doença e fortalecer os ossos

Os novos números surgem apenas um dia depois que as autoridades de saúde afirmaram estar mantendo as restrições ao coronavírus de maneira rígida, frustrando as esperanças de investidores por uma flexibilização.

Embora os números de casos estejam extremamente baixos para os padrões globais, a China mantém uma abordagem de Covid-zero quase três anos desde a pandemia que envolve lockdowns, quarentenas, testagem frequente e uma queda drástica na entrada de viajantes.

“Devemos permanecer fiéis ao princípio de colocar as pessoas e vidas em 1º lugar com a estratégia de evitar importar a doença de fora”, disse o oficial para controle de doenças da China, Hu Xiang.

Vivi para contar: ‘Tatuei o nome dos meus médicos na perna, estou viva graças a eles’

No início desta semana, as ações chinesas saltaram após rumores de que a China estava planejando uma reabertura das restrições rígidas da Covid-19 em março. Entretanto, não há sinais de uma possível reabertura na região.