Covid-19: desigualdade entre pobres e ricos registra maior salto em 110 anos

·1 min de leitura

As desigualdades aumentam cada vez mais e no mundo inteiro – um cenário que piorou durante a pandemia de Covid-19. Em seu relatório anual, o World Inequality Lab, laboratório de pesquisas da Paris School of Economics, divulga nesta terça-feira (7) que a fortuna dos mais ricos só cresce no planeta.

Os resultados deste estudo de 228 páginas, coordenado pelo economista francês Lucas Chancel e codirigido pelo renomado autor Thomas Piketty, ressaltam a persistência das desigualdades no mundo. Os dados recolhidos nos quatro cantos do planeta mostram um aumento das disparidades econômicas entre as populações.

Atualmente, os 50% mais pobres possuem 2% do patrimônio mundial, enquanto os 10% mais ricos monopolizam 76% das riquezas. Segundo a base de dados do World Inequality Lab, o Oriente Médio, a África do Norte, bem como a América Latina são as regiões mais castigadas pela desigualdade.

O documento também aponta que a fatia da riqueza mundial nas mãos das maiores fortunas triplicou em 25 anos. Além disso, ressalta que a pandemia ajudou no enriquecimento desta parcela da população: em 2020, os bilionários tiveram um salto de US$ 3,6 bilhões em seus patrimônios, um valor equivalente aos gastos anuais em saúde, somando todos os países do mundo.


Leia mais

Leia também:
Em Roma, dirigentes do G20 aprovam reforma da tributação de multinacionais
Aumento de bilionários e volta da pobreza extrema no Brasil simbolizam impacto desigual da crise
França tem mais de um milhão de “novos pobres” gerados pela pandemia de Covid-19

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos