Covid-19: governo de São Paulo coloca todo o estado na fase amarela

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Joao Doria, (PSDB) Governor of São Paulo, during a press conference on measures to combat the Coronavirus, (COVID-19) on Sept. 18, 2020 at the Palácio dos Bandeirantes in Sao Paulo, Brazil. During the press conference, Governor João Doria confirmed that the plan for optional resumption of staggered face-to-face classes is maintained for October 7 for high school students and Youth and Adult Education (EJA) of the state network. (Photo: Roberto Casimiro/Fotoarena/Sipa USA)(Sipa via AP Images)
(Foto: Roberto Casimiro/Fotoarena/Sipa USA)(Sipa via AP Images)

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), confirmou o recuo na flexibilização e anunciou que 100% das regiões do estado retornam à Fase Amarela do Plano São Paulo, programa de regras das medidas restritivas devido à Covid-19.

“Com o claro aumento da instabilidade da pandemia, o governo e Centro de Contingência do Coronavírus decidiram que 100% das regiões do estado vão retornar à fase amarela”, anunciou Doria, em coletiva no Palácio dos Bandeirantes, nesta segunda-feira (30).

O retrocesso de fase já era esperado e havia sido adiantado na manhã desta segunda. A vigência da nova fase começa a partir do dia 2 de dezembro.

Na configuração do Plano São Paulo, 6 das 16 regiões do estado estavam na Fase Verde, uma das mais flexíveis com relação às medidas de restrição e fechamentos. Até então, 76% da população estavam em regiões de fase verde.

Leia também

Agora, todas elas passarão à Fase Amarela e que prevê ações mais rígidas com focos em bares, restaurantes e cinemas. Essa situação só deve ser revista no dia 4 de janeiro de 2021.

Na nova atualização do Plano São Paulo, todas as regiões estarão na fase Amarela. (Foto: Reprodução/YouTube)
Na nova atualização do Plano São Paulo, todas as regiões estarão na fase Amarela. (Foto: Reprodução/YouTube)

Nas novas regras, os estabelecimentos deverão ter lotação máxima de até 40%; poderão ficar abertos, no máximo, 10 horas por dia; e não poderão funcionar além das 22 horas. Os eventos com públicos em pé também estão novamente proibidos.

Até então, o discurso das autoridades do governo estadual era de cautela nas ações de enfrentamento, alegando a necessidade de ganhar tempo para interpretar os dados represados devido a uma pane no sistema do governo federal.

Na semana passada, o coordenador-executivo do Centro de Contigência do Coronavírus, João Gabbardo, afirmou que o comitê enviou ao governo uma série de recomendações para aumento das restrições contra a pandemia.

Entretanto, ainda de acordo com ele, a decisão do governo Doria foi de esperar até segunda-feira (30) para que sejam adotadas ou anunciadas quaisquer alterações a respeito do Plano São Paulo.

A decisão de adiar para o dia 30 de novembro — um dia após o segundo turno das eleições municipais, vencidas pelo atual prefeito Bruno Covas (PSDB) — a revisão do Plano São Paulo foi anunciada na semana passada.

No mesmo dia, o governo Doria reconheceu um aumento de 18% na média de internações de pacientes com Covid-19 no estado. A capital paulista registrou aumentos acima de 20% nas internações em leitos municipais de enfermaria e de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) por pacientes infectados pela Covid-19 na comparação dos últimos 15 dias.

O adiamento foi justificado por uma falha no sistema que compila os dados de Covid-19 do Ministério da Saúde, ocorrida há duas semanas. Na semana passada, por conta dos problemas nos servidores do governo federal, o estado de São Paulo ficou cinco dias sem divulgar boletins com números de casos e óbitos por novo coronavírus.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos