Covid-19: hospital troca corpos, e família enterra homem errado no RN

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Família enterrou o homem errado após erro de hospital (AP Photo/Silvia Izquierdo)
Família enterrou o homem errado após erro de hospital (AP Photo/Silvia Izquierdo)
  • Gerde Luís Xavier Damasceno, de 63 anos, morreu terça-feira por causa da Covid-19

  • Seu corpo, porém, foi liberado para outra família, que enterrou o idoso

  • Filho de Gerde lamentou a morte do pai, apenas um mês após também perder o irmão para o coronavírus

Não bastasse a dor de perder um parente, uma família em Natal descobriu que o ente querido foi enterrado por estranhos após erro de um hospital na capital do Rio Grande do Norte. O caso aconteceu na última terça-feira e foi divulgado pelo UOL.

Gerde Luís Xavier Damasceno, de 63 anos, morreu nas primeiras horas de terça, vítima da Covid-19, após duas semanas internado no Hospital do Coração. Ao tentar providenciar o serviço funerário do pai, Gerdian Cabral recebeu a informação de que o corpo já havia sido liberado.

Leia também:

Gerdian recebeu o documento de liberação, que havia sido assinado por um estranho. "Outra família reconheceu o corpo do meu pai e o hospital liberou. Chegaram até a sepultar. Corremos atrás e o hospital admitiu o erro e providenciou a troca, mas vamos cobrar essa confusão judicialmente", explicou.

O Hospital do Coração reconheceu o erro e explicou que o corpo de Gerde acabou trocado pelo de outro homem que também morreu na madrugada de terça-feira por causa do coronavírus, após o filho desta outra vítima da Covid-19 errar no reconhecimento.

Gerde tinha 63 anos e foi mais uma vítima da Covid-19 - Foto: Arquivo Pessoal
Gerde tinha 63 anos e foi mais uma vítima da Covid-19 - Foto: Arquivo Pessoal

“Houve ainda falha do setor responsável ao não seguir nosso protocolo de conferência dos documentos necessários para a liberação do corpo para o sepultamento, o que contribuiu para a ocorrência constrangedora e inaceitável”, admitiu em nota.

Tragédia familiar

A dor de ter o pai enterrado por estranhos foi mais um baque em outra família dizimada pela Covid-19. Gerdian explicou que apenas um mês antes da morte de Gerde, já havia perdido seu irmão para o vírus.

"Meu irmão morreu dia 18 de fevereiro. Estamos todos muito abalados ainda. E agora meu pai. É um aburdo que, no meio de todo esse sofrimento, a gente tenha que passar pelo constrangimento de não poder enterrar meu pai", lamentou.