Covid-19: Pessoas com HIV entram para grupo prioritário da vacinação

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
A pasta também diz que a medida segue "novas evidências científicas" que apontam riscos de "desfechos negativos da Covid-19" para as pessoas com o vírus (Foto: Agência Brasil)
A pasta também diz que a medida segue "novas evidências científicas" que apontam riscos de "desfechos negativos da Covid-19" para as pessoas com o vírus (Foto: Agência Brasil)
  • Ministério da Saúde inseriu pessoas com HIV no grupo prioritário da vacinação contra a Covid-19

  • Poderão ser vacinados quem tem entre 18 e 59 anos após o encerramento da imunização de idosos com 60 a 64 anos

  • Grupo será considerado prioridade independente da contagem de linfócitos T-CD4+, que sãos as células de defesa que podem ser atacadas pelo HIV

O Ministério da Saúde incluiu, nesta segunda-feira (29), pessoas com HIV no grupo prioritário da vacinação contra a Covid-19. De acordo com a medida, poderão ser vacinados quem tem entre 18 e 59 anos após o encerramento da imunização de idosos com 60 a 64 anos.

"A intenção é reduzir o impacto da pandemia nesse grupo, especialmente em relação ao risco de hospitalização e óbito, e respeitar o conceito de equidade do Sistema Único de Saúde (SUS)", diz trecho da nota técnica do Ministério da Saúde.

Leia também:

A pasta também diz que a medida segue "novas evidências científicas" que apontam riscos de "desfechos negativos da Covid-19" para as pessoas com o vírus.

Esse grupo vai receber as doses na mesma etapa em que serão contemplados quem apresenta comorbidades, como diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares. Trata-se do maior grupo de risco do plano de imunização, com cerca de 18 milhões de pessoas.

Na nota técnica, a Saúde não estima quantas pessoas devem entrar neste grupo após a atualização do plano de vacinação. No total, as listas de prioridade — ainda sem esta mudança — somam cerca de 77,3 milhões de indivíduos.

O ministério também afirma que pessoas com HIV, maiores de 60 anos, já estão contempladas na priorização por faixa etária no plano. 

Lado externo do prédio do Ministério da Saúde com o letreiro de identificação
Lado externo do prédio do Ministério da Saúde com o letreiro de identificação

Prioridade independe do estágio da doença

Segundo a pasta, serão considerados na lista de prioridades todos os indivíduos que vivem com HIV, de 18 a 59 anos, independente da contagem de linfócitos T-CD4+, que sãos as células de defesa que podem ser atacadas pelo HIV.

"O início da vacinação para este grupo será informado por meio do Programa Nacional de Imunizações", afirma a nota técnica.

Porém, prefeitos e governadores podem traçar planos próprios, mas há um acordo entre o ministério e conselhos que representam secretários estaduais (Conass) e municipais (Conasems) para que seja seguido o plano nacional de vacina.

Lista de vacinação contra a Covid-19

O Ministério da Saúde optou por priorizar a vacinação de determinados grupos para garantir o funcionamento dos serviços de saúde, a proteção dos cidadãos com maior risco para coronavírus, além da preservação do funcionamento dos serviços essenciais. Para isso, foi definida uma lista de grupos prioritários, que somam mais de 77,2 milhões de brasileiros

Confira abaixo:

  • Pessoas com 60 anos ou mais institucionalizadas;

  • Pessoas com deficiência institucionalizadas;

  • Povos indígenas vivendo em terras indígenas;

  • Trabalhadores de saúde;

  • Pessoas de 80 anos ou mais;

  • Pessoas de 75 a 79 anos;

  • Povos e comunidades tradicionais ribeirinhas;

  • Povos e comunidades tradicionais quilombolas;

  • Pessoas de 70 a 74 anos;

  • Pessoas de 65 a 69 anos;

  • Pessoas de 60 a 64 anos;

  • Comorbidades (agora também portadores do HIV);

  • Pessoas com deficiência permanente grave;

  • Pessoas em situação de rua;

  • População privada de liberdade;

  • Funcionários do sistema de privação de liberdade;

  • Trabalhadores da educação do Ensino Básico (creche, pré-escolas, ensino fundamental, ensino médio, profissionalizantes e EJA);

  • Trabalhadores da educação do Ensino Superior;

  • Forças de segurança e salvamento;

  • Forças Armadas;

  • Trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros;

  • Trabalhadores de transporte metroviário e ferroviário;

  • Trabalhadores de transporte aéreo;

  • Trabalhadores de transporte aquaviário;

  • Caminhoneiros;

  • Trabalhadores portuários;

  • Trabalhadores industriais.