Covid-19: Pfizer nega venda direta de vacinas para crianças ao Rio

·2 min de leitura

Em resposta à tentativa de negociação realizada pela prefeitura do Rio de Janeiro nesta quarta-feira da compra direta de vacinas contra a Covid-19 para crianças, a Pfizer disse que já tem um contrato fechado com o governo federal e que, neste momento, não é possível dar andamento a uma negociação nível municipal. As tratativas podem ser iniciadas, contudo, caso haja qualquer alteração no contrato feito com o governo federal. A informação é da Secretaria municipal de Saúde (SMS).

Segundo a pasta, "a Pfizer informou nesta tarde ao secretário Daniel Soranz que fechou três contratos de fornecimento com o governo brasileiro, sendo o último deles assinado no dia 29 de novembro de 2021, que prevê a entrega de 100 milhões de doses para o Brasil em 2022. Esse contrato já engloba o fornecimento de novas versões da vacina, inclusive para diferentes faixas etárias".

"Com base no acordo firmado e na disponibilidade de doses alocadas para o Brasil", prossegue a nota da secretaria, "neste momento não é possível dar andamento a uma negociação de fornecimento em nível municipal, pois entendemos, portanto, que nossa vacina estará disponível à população por meio do Programa Nacional de Imunizações (PNI) e, caso ocorra qualquer alteração no contrato nacional poderá entrar em contato para abrir as negociações".

Questionada sobre o assunto pelo GLOBO mais cedo, a Pfizer não deu retorno.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, cobrou que o governo federal assuma a responsabilidade de comprar vacinas contra a Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos. A fala de Paes vem após o Comitê Científico de Enfrentamento à Covid-19 (CEEC) recomendar "fortemente" a vacinação para menores desta faixa etária, e sugerir a compra direta por meio dos fornecedores, em uma reunião ordinária com especialistas na segunda-feira.

— Eu pedi ao Daniel Soranz (secretário municipal de Saúde) que entrasse em contato com a Pfizer. O que eu já tinha visto com o governador Doria (João Doria, de São Paulo) é que a Pfizer quer vender para o governo federal. Eu acho o ideal também. Na verdade, eu espero que o governo anuncie em breve a decisão de vacinar crianças — diz o prefeito.

Na manhã desta quarta-feira, o Ministério da Saúde anunciou a publicação de uma consulta pública para a vacinação em crianças. O processo ocorrerá entre os dias 23 de dezembro e 2 de janeiro. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso da vacina da Pfizer também para essa faixa etária na última quinta-feira. O imunizante é o único aplicado em jovens de 12 a 18 anos no Brasil no momento.

O uso do imunizante da Pfizer foi autorizado no Brasil pela Anvisa na semana passada, mas o Ministério da Saúde ainda não realizou a compra do produto para distribuição aos municípios — a versão para crianças tem diferenças em relação à fórmula para adultos, na rotulação e na diluição, por exemplo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos