Covid-19: postos de vacinação estão fechados no feriadão na cidade do Rio

Quem ainda não está com o cartão de vacinação em dia contra a Covid-19 vai ter que esperar mais um pouco. As unidades da cidade do Rio que atendem a população para a imunização estão fechadas neste feriadão e só retomam as aplicações na quarta-feira (16). E tem carioquinha que, mesmo com o fim do feriado, vai ter que esperar mais. Crianças de 3 e 4 anos estão desde a última semana sem poderem tomar a primeira e a segunda doses, isto por falta de repasse do imunizante por parte do Ministério da Saúde, segundo a Prefeitura do Rio.

A falta de imunizantes para primeira dose em crianças de 3 a 4 anos — a CoronaVac é a única autorizada pela Anvisa para uso no público dessa faixa etária — está paralisada desde o último dia 26 na cidade, segundo a Secretaria municipal de Saúde do Rio.

Até quarta-feira estão fechadas as unidades de Atenção Básica, como centros municipais de saúde, clínicas da família e policlínicas. Nesta segunda-feira será compensado o Dia do Servidor Público, feriado transferido de 28 de outubro, conforme Decreto Rio N° 51.497, e na terça é feriado nacional da Proclamação da República.

Já as unidades de funcionamento 24 horas continuam com atendimento normal, sendo elas: Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), hospitais, Centros de Emergência Regional (CERs) e Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) tipo III.

Ao mesmo tempo, a Prefeitura do Rio busca uma forma de encontrar e imunizar os atrasados. A baixa adesão do público adulto às doses de reforço cumpre papel central na próxima etapa da batalha travada pela Secretaria de Saúde do município do Rio para reverter a alta de casos de Covid-19 na cidade. Dados da pasta alertam para o número de 25% da população apta que não voltou aos postos de saúde depois da segunda dose da vacina contra o Coronavirus. Os números preocupam a pasta, que já busca alternativas para reverter o cenário. Uma das medidas estudadas é a utilização dos dados de cadastro da segunda dose para o mapeamento e busca ativa dos agentes por pessoas que ainda não tomaram a dose de reforço.

A chamada busca ativa, inclui ligações por telefone para as famílias e, em alguns casos, até visitas domiciliares, é uma tentativa da Secretaria Municipal de Saúde de incentivar a procura pelos postos para atualização das cadernetas e reverter o cenário de alta dos casos.

A alta de contágios, em meio à descoberta de uma nova subvariante da Ômicron, a BQ.1, evidencia a circulação do coronavírus no país. A taxa de positividade nos testes para Covid-19 cresceu em 12 estados e no Distrito Federal. Além do Rio de Janeiro, também houve aumento no Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina e São Paulo, segundo os dados das respectivas pastas da saúde. Em alguns estados, a alta de contágios já se reflete na maior procura por atendimento em ambulatórios e hospitalizações.