Covid-19: Prefeitura do Rio descarta retomar exigência do uso de máscaras

A Prefeitura do Rio afirmou, nesta quarta-feira, que ainda não considera a possibilidade de retomar o uso de máscaras, mesmo em locais fechados, no município. De acordo com o secretário de Saúde Daniel Soranz, cada cidadão segue livre para optar pela utilização do item de segurança em qualquer local. Na última terça-feira, uma decisão nacional da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) voltou a recomendar o uso das máscaras em aviões e aeroportos.

— Sempre que possível e que a pessoa julgar necessário pode utilizar, mas a nossa recomendação no momento é que pessoas vacinadas e protegidas possam circular e fazer todas as suas atividades normalmente — explica o secretário.

Daniel Soranz lembra, também, que, em geral, a maior parte dos casos de Covid-19 em pessoas vacinadas é leve, e que a grande preocupação da secretaria, neste momento, é com os cidadãos que não se vacinaram com o reforço, não se protegeram e estão expostas à nova subvariante BQ.1, que já tem 13 casos confirmados na cidade do Rio. Atualmente, o número de cariocas que não voltaram aos postos de saúde para receber o reforço do imunizante é de aproximadamente 1 milhão e 400 mil.

Entre os dias 15 de outubro e 12 de novembro, a taxa de positividade dos testes para a doença subiu de 6% para 30%, número que se mantém estável, com aumento de apenas um ponto percentual desde o dia 20. Nesta quarta-feira, a taxa de positividade semanal parcial, informada pela Secretaria Municipal de Saúde por meio do portal Painel Rio, chegou a 31%. O número de internações, por outro lado, já chega a 230.

Na rede privada, a taxa de positividade e testes no estado do Rio já ultrapassa São Paulo. Dados da última terça-feira, divulgados pela rede Dasa — que inclui laboratórios como Sérgio Franco, Lâmina e Bronstein — com relação à semana de 14 a 20 de novembro, mostram que a taxa de resultados positivos no Rio chegava a 46,48%, três pontos percentuais a mais na rede, se comparado ao número da semana anterior, de 7 a 13 de novembro. Em São Paulo, a taxa teve queda de um ponto percentual, e marca 42,14%.