Covid-19: primeiro antiviral contra a doença chega a clínicas e farmácias do país a partir desta semana

O antiviral Molnupiravir, da farmacêutica MSD, chega aos hospitais, clínicas oncológicas e farmácias do Brasil nesta semana. O primeiro carregamento, com mil tratamentos, já chegou ao país e será totalmente destinado ao mercado privado. De acordo com a MSD, o preço médio do tratamento é de R$ 1.700 reais. O medicamento estará disponível ao consumidor final a partir da próxima semana, sob prescrição médica.

Sexo em baixa, conflitos em alta e carreira sob análise: como as eleições chegaram ao divã

Creatina: do aumento da massa muscular ao estímulo da memória, como age o suplemento no organismo

A disponibilidade do medicamento na rede privada brasileira foi adiantada pelo GLOBO, no final do mês passado. O molnupiravir foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso emergencial no tratamento da Covid-19, mas não recebeu o aval para entrar no Sistema Único de Saúde (SUS).

O Molnupiravir já está em uso em 30 países e mais e 10 milhões de tratamentos foram distribuídos em todo mundo. A MSD ressalta que tem capacidade de atender qualquer demanda necessária.

Calvície: cientistas japoneses criam com sucesso técnica inédita que estimula o crescimento de cabelo; entenda

O medicamento inibe a disseminação do vírus no organismo ao inserir "erros" no código genético do coronavírus. Deste modo, impede a piora da doença. Em estudos clínicos, o medicamento chegou a reduzir a mortalidade pela doença em até 89%. O fármaco tem um trunfo em seu funcionamento: não é comum que ele sofra interação medicamentosa — isto é, tenha algum tipo de impacto de uso quando combinado com outro remédio utilizado pelo paciente — trata-se de uma característica importante para pessoas que passam por tratamentos de doenças crônicas e graves.

Resultados de um estudo de vida real realizado em Israel, pelo Clalit Health Services, mostram uma redução significativa de hospitalização e mortalidade de pessoas de alto risco com mais de 65 anos após o tratamento.

Ocitocina: hormônio tem potencial de regenerar o coração e ajudar pacientes que tiveram infarto, diz estudo

O medicamento também está sendo avaliado para profilaxia pós-exposição. Esse estudo que está sendo conduzido em diversos países – inclusive no Brasil – tem previsão de divulgação de resultados no primeiro trimestre de 2023.