Covid-19: protesto contra o passaporte sanitário termina em confronto com a polícia em Bruxelas

·1 min de leitura

Dezenas de milhares de manifestantes vindos vários países europeus participaram neste domingo (23) de uma passeata em Bruxelas, para protestar contra o passaporte sanitário e as restrições para lutar contra a pandemia de Covid-19. Perto da sede da União Europeia, militantes entraram em confronto com policiais.

Segundo as autoridades belgas, cerca de 50 mil pessoas desfilaram nesta que é a maior da série de manifestações realizadas nos últimos meses em Bruxelas. Bandeiras da Holanda, Polônia e Romênia foram exibidas durante o ato.

O clima se deteriorou no final da manifestação, quando o cortejo se aproximou da sede da União Europeia. Segundo a rádio RTL, pessoas com os rostos cobertos quebraram um vidro do escritório europeu das Relações Internacionais.

A polícia tentou afastar os militantes com jatos d'água e bombas de gás lacrimogênio. Muitos atiraram pedras e foguetes contra os policiais.

"Ditadura sanitária"

Os participantes do ato criticaram o que classificam de "ditadura sanitária", mesmo que vários governos europeus venham flexibilizando as medidas anticovid nos últimos dias. Muitos exibiram cartazes contra o primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, e contra o passaporte sanitário, mecanismo adotado por boa parte dos países europeus.

Países europeus relaxam restrições


Leia mais

Leia também:
Profissionais de saúde da Bélgica protestam contra projeto do governo de impor vacinação anticovid
Milhares saem às ruas em protestos na França contra o passaporte vacinal
Estudo mostra que passaporte sanitário evitou 4 mil mortes e prejuízo de € 6 bilhões à França

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos