Covid-19: quarentena não nos deixou mais gordos, aponta novo estudo

A população não engordou mais durante o período de quarentena provocado pela pandemia de Covid-19. É o que aponta um novo estudo publicado na quinta-feira na revista científica Jama Network. As mudanças no peso ou no índice de massa corporal (IMC) observadas após o lockdown não foram significativamente diferentes das que ocorreram no período anterior ao fechamento de tudo por conta do coronavírus.

Entrevista: 'Os transtornos mentais ocorrem em diferentes graus', diz psiquiatra

15 min e 9 seg por dia: Esse é o tempo necessário para reduzir a ansiedade e o mau humor, diz novo estudo

Covid-19: FDA autoriza vacina da Pfizer e Moderna para crianças a partir de 6 meses

Pesquisadores do The Miriam Hospital em Providence, Rhode Island, nos Estados Unidos, e colegas de outras instituições, examinaram as alterações médias de peso e IMC de 102.889 adultos que tiveram pelo menos duas medidas de IMC em visitas ambulatoriais durante a chegada da Covid-19 (16 de março de 2020 a 12 de novembro de 2021) e a um período anterior às medidas de lockdown (1 de janeiro de 2018 a 15 de março de 2020).

Os cientistas descobriram que durante os anos pré e pós-lockdown, os participantes tiveram um aumento médio de 180g e 220g no peso, respectivamente. No entanto, a diferença de 40g não foi significativa, dizem os pesquisadores.

"As diferenças entre nossos resultados e estudos anteriores podem estar relacionadas a diferenças metodológicas. Muitos estudos anteriores usaram auto-relato e participantes auto-selecionados 2 ou relataram ganho de peso em intervalos curtos", afirmaram os cientistas no estudo.

Os pesquisadores ponderam, no entanto, que os resultados do estudo não podem ser generalizados, já que só participaram do trabalho pessoas que procuraram por atendimento médico durante o período estudado. No entanto, eles afirmam que as descobertas da pesquisa "devem ajudar a mitigar as preocupações de saúde pública de que as ordens de fechamento de locais devido à Covid-19 levaram ao ganho de peso em adultos".

Aumenta bactérias benéficas: Estudo indica que cerveja pode fazer bem à saúde; saiba quantos copos têm efeito

Já teve Covid? Saiba quanto dura a imunidade, o que muda na reinfecção e como estar preparado

O sobrepeso e a obesidade ficaram em destaque durante a pandemia devido ao risco aumentado que pessoas com essas condições tinham diante uma infecção pelo coronavírus. Classificada como comorbidade, a obesidade foi associada ao maior risco de desenvolver Covid grave, de ser internado ou morrer por conta do coronavírus.

Outros estudos científicos já associaram a Covid-19 ao risco aumentado de pelo menos 13 tipos diferentes de câncer e também de outras condições de saúde perigosas, como pressão alta e diabetes tipo 2.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos