Covid-19: SP começa a vacinar idosos de 80 anos a partir de 1º de março

Ana Letícia Leão
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO - A vacinação contra a Covid-19 em idosos que têm entre 80 e 84 anos começa no dia 1º de março, anunciou o governo paulista, nesta quarta-feira. De acordo com o governador João Doria, o início da imunização do público de 85 a 89 foi antecipado para esta sexta-feira (12). Antes estava marcado para a próxima segunda (15).

— O governo de São Paulo antecipa o início da vacinação de idosos a partir de 85 anos para sexta-feira, 12 de fevereiro. Estava prevista para começar dia 15, segunda-feira, mas conseguimos acelerar o programa de distribuição antecipada com mais 900 mil doses da vacina. Nesta nova fase, serão vacinados 309 mil idosos entre 85 e 89 anos — disse Doria, em coletiva no Palácio dos Bandeirantes. Idosos se vacinação em drive thru no Estádio do Pacaembu

O público de 80 a 84 anos soma 563 mil pessoas em todo o estado, segundo o governo. Entre 85 e 89 anos, 309 mil pessoas receberão o imunizante.

A vacinação dos idosos na capital está ocorrendo desde a última segunda-feira (8), em cinco pontos de drive thru: no Estádio do Pacaembu (Praça Charles Miller), na Arena Corinthians, no Autódromo de Interlagos, no Anhembi e na Igreja Boas Novas, situada na Vila Prudente. A vacinação nesses locais ocorre das 8h às 17h. Faça o teste: Qual é o seu lugar na fila da vacina?

Os idosos também podem se vacinar nas 468 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e 400 escolas públicas, que atenderão diariamente, das 7h às 19h. O governo pede que seja realizado um pré-cadastro online dos que serão vacinados para evitar aglomeração do público e diminuir o tempo de espera. O formulário está disponível no site Vacina Já, mas não é obrigatório.

A vacinação em São Paulo começou dia 17 de janeiro, mesmo dia em que o imunizante foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso emergencial. Até a tarde desta quarta-feira, pouco mais de 1 milhão de pessoas já tinham sido vacinadas no estado. Entre elas, estão profissionais de saúde, indígenas, quilombolas e idosos.