Covid-19: Três estados preveem vacinar professores entre abril e fim de maio

Redação Notícias
·5 minuto de leitura
Marilene de Oliveira Paixao disinfects a student desk at the EMEF Sylvia Martin Pires public school in Sao Paulo, Brazil, Monday, March 8, 2021. Paixao, the mother of a student at the school, was hired for a temporary job as part of a program by the city's education secretary to help mothers who lost their jobs during the pandemic. (AP Photo/Andre Penner)
De acordo com o Censo Escolar 2020, há 2,2 milhões de professores da educação básica e 161.183 diretores atuando nas 179,5 mil escolas no Brasil. (Foto:AP Photo/Andre Penner)

Ao menos três estados anunciaram que preevem vacinar professores e profissionais da educação entre abril e maio, de acordo com um levantamento feito pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) a pedido do G1. 

São eles: 

  • São Paulo

  • Espírito Santo

  • Paraná

Leia também:

Em todo o estado de São Paulo, professores e outros profissionais da educação começarão a ser vacinados contra o coronavírus a partir de 12 de abril. O anúncio foi feito na última quarta-feira (24) pelo governador João Doria (PSDB) e pelo Secretário de Educação do estado, Rossieli Soares.

A expectativa é vacinar 350 mil profissionais da educação. A prioridade serão profissionais da educação básica (desde a creche até o ensino médio) e a vacinação será para profissionais da educação a partir dos 47 anos.

São Paulo vive grandes restrições por conta da Covid-19, que registrou recorde de mortes nesta sexta-feira (26). O Hoje mais cedo, o vice-governador de São Paulo, Rodrigo Garcia, anunciou que a fase emergencial será prorrogada em todo o estado. A medida começou no dia 15 e, inicialmente, iria até dia 30. Agora, a fase mais rigorosa do Plano SP vale até 11 de abril.

Espírito Santo entrará em lockdown

No Espírito Santo, de acordo com o levantamento do Consed, a vacinação deve ocorrer a partir de 15 de abril. O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), anunciou nesta quinta-feira (25) que o estado entrará em lockdown por uma semana a partir de domingo (28)

Trata-se de estratégia para conter o avanço da pandemia da Covid-19. As medidas abrangerão os 78 municípios do estado. 

Paraná pretende vacinar 4 milhões

No Paraná, a previsão é imunizar os docentes até o fim de maio. De acordo com a Secretaria Estadual de Educação, "a programação é vacinar 4 milhões de pessoas dos grupos prioritários até o dia 31 de maio, no qual estão os professores e todos os trabalhadores da Educação".

Na última segunda-feira (22), o secretário de Saúde do Paraná, Beto Preto, pediu que empresas e indústrias do estado que utilizam cilindros de oxigênio doem equipamentos para serem utilizados por unidades de saúde que tratam pacientes com a Covid-19

Marilene de Oliveira Paixao checks the temperature of students entering the EMEF Sylvia Martin Pires public school in Sao Paulo, Brazil, Monday, March 8, 2021. Paixao, the mother of a student at the school, was hired for a temporary job as part of a program by the city's education secretary to help mothers who lost their jobs during the pandemic. (AP Photo/Andre Penner)
Segundo Preto, para atender a alta de internações, são necessários mil equipamentos para abastecer principalmente hospitais de pequeno porte e prontos-socorros municipais (Foto: AP Photo/Andre Penner)

O Paraná recebeu no domingo (21) uma carga de 200 cilindros cedidos pelo governo do Amazonas — 20 deles já foram direcionados para o município de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Os demais serão distribuídos conforme a demanda. 

Segundo Preto, para atender a alta de internações, são necessários mil equipamentos para abastecer principalmente hospitais de pequeno porte e prontos-socorros municipais.

Cervejarias doam cilindros de oxigênio

No último dia 14, três cervejarias interromperam parte da produção da bebida alcoólica e se uniram para doar cilindros de oxigênio ao hospital de Clevelândia, na região sudoeste do Paraná. Em situação crítica no sistema de saúde por causa da pandemia de coronavírus, o estado registrou 97% de ocupação nos leitos de UTI na ocasião (Unidade de Terapia Intensiva).

Pedido de inclusão dos profissionais da educação no PNI

No início de março, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, anunciou que havia pedido a inclusão dos profissionais de educação no Plano Nacional de Imunização. Na lista de prioridades, os profissionais da educação estão em 15º lugar.

De acordo com o Censo Escolar 2020, há 2,2 milhões de professores da educação básica e 161.183 diretores atuando nas 179,5 mil escolas no Brasil. No ensino superior, havia 339,9 mil docentes em exercício em 2019, dado mais recente disponível.

A imunização ampla dos professores e profissionais da educação poderá garantir um retorno mais seguro às salas de aulas, fechadas em março do ano passado para conter a pandemia do coronavírus.

Lista com ordem de vacinação

O mais recente informe técnico que cita a ordem para vacinação é o segundo, de 23 de janeiro. 

Veja a lista abaixo:

  1. Pessoas com 60 anos ou mais institucionalizadas

  2. Pessoas com Deficiência Institucionalizadas

  3. Povos indígenas vivendo em terras indígenas

  4. Trabalhadores da Saúde

  5. Pessoas de 80 anos e mais

  6. Pessoas de 75 a 79 anos

  7. Pessoas de 70 a 74 anos

  8. Pessoas de 65 a 69 anos

  9. Pessoas de 60 a 64 anos

  10. Pessoas com comorbidades

  11. Pessoas com deficiência permanente grave

  12. Pessoas em situação de rua

  13. População privada de liberdade

  14. Funcionários do sistema de privação de liberdade.

  15. Trabalhadores da educação

  16. Forças de Segurança e Salvamento

  17. Forças Armadas

  18. Trabalhadores de Transporte Coletivo Rodoviário de Passageiros Urbano e de Longo Curso

  19. Trabalhadores de Transporte Metroviário e Ferroviário

  20. Trabalhadores de Transporte Aéreo

  21. Trabalhadores de Transporte Aquaviário

  22. Caminhoneiros

  23. Trabalhadores Portuários

  24. Trabalhadores Industriais

Vacina no Brasil

Em 15 de março, o governo federal anunciou que compraria 100 milhões de doses da vacina Pfizer/BioNTech. A previsão é que as vacinas sejam entregues até setembro.

Na ocasião, o agora ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou também a aquisição de vacinas da Janssen, da Johnson&Johnson. O Brasil receberia 38 milhões de doses no segundo semestre.

Recentemente, Pazuello foi substituído pelo médico cardiologista Marcelo Queiroga. No primeiro pronunciamento após tomar posse, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, prometeu nesta quarta-feira aumentar em três vezes o ritmo da campanha de vacinação contra a covid-19 no país.

De acordo com Queiroga, é possível passar de 300 mil imunizados por dia para 1 milhão em um curto espaço de tempo porque "o Brasil tem condições de vacinar muitas pessoas". Ele também garantiu que recebeu autonomia para fazer indicações na pasta, com a criação de uma secretaria especial para cuidar da pandemia do novo coronavírus.