Covid-19: Vacinação infantil tem baixa procura no Rio, Secretaria estende imunização até sábado

A vacinação infantil, disponível para crianças de seis meses a 4 anos de idade com comorbidades, teve procura abaixo do quantitativo esperado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) nesta quinta-feira. Com apenas duas das nove mil doses da Pfizer pediátrica disponíveis distribuídas, a SMS, que havia optado inicialmente que a imunização do público acontecesse apenas nesta quinta-feira, optou por estender a vacinação até as 12h de sábado nas 131 unidades de saúde designadas pela pasta.

Tragédia: Desabamento de casa na Rocinha causa morte de pedreiro que trabalhava no imóvel

Busca e apreensão: PF faz operação contra esquema de corrupção, fraudes a licitações, evasão de divisas e lavagem de dinheiro envolvendo a FGV

Segundo Daniel Soranz, Secretário de Saúde do Munincípio, a baixa adesão registrada nesta quinta-feira é preocupante.

— O número inicial é muito abaixo do esperado, quase duas mil doses distribuídas. A gente aqui da Secretaria faz esse apelo e pede que os pais lembrem de vacinar esse as crianças e que levem os filhos para vacinar. É importante lembrar ainda que a dose da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos sem comorbidades segue disponível para crianças sem comorbidades.— ressaltou.

Violência: Corpo carbonizado é de bombeiro morto por traficantes; oficial foi condecorado por ajuda na tragédia de Brumadinho

Segundo o secretário,o público infantil é o que detêm a maior taxa entre as internações na cidade.

— Essa é a faixa do público populacional com mais internações justamente porque é um público que ainda não tem cobertura vacinal completa, portanto, corre mais risco. — afirmou.

Desde o início da pandemia foram registrados 20.396 casos de Covid-19 em crianças de 0 a 4 anos na cidade do Rio. A cobertura vacinal na faixa etária de 3 e 4 anos é de 28,4% para a primeira dose e 12,8% para a segunda. Entre as crianças de 5 a 11 anos, 82,4% estão vacinadas com a primeira dose e 62,1% com a dose de reforço.

Escândalo do Ceperj: presidente e vice pedem exoneração do cargo

A vacina pediátrica contra a Covid-19 para a faixa de seis meses a quatro anos foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em setembro. A recomendação é para que as crianças vacinadas recebam o reforço quatro semanas depois da primeira dose. Em sua página na Internet a fabricante afirma que a vacina pediátrica possui o mesmo princípio ativo da aplicada em adultos, mas tem “uma concentração e um estabilizante diferentes, um maior número de doses por frasco e um prazo de armazenamento maior na temperatura de geladeira entre 2 e 8°C”.

Nesta quinta-feira o Painel Rio Covid-19 mostra que há 172 pessoas internadas com a doença na cidade. Ainda de acordo com o Painel da Secretaria, 27 pessoas aguardam por vaga para internação no município.

Feminicídio: revolta e indignação no enterro da técnica de enfermagem assassinada

Vacinação infantil suspensa

No último dia 10, a aplicação da 2ª dose da vacina contra a Covid-19 para crianças de 3 e 4 anos anos foi paralisada devido à falta de novas doses da CoronaVac destinadas a essa faixa etária.

A aplicação da primeira dose da vacina está paralisada na cidade desde o dia 26 de outubro. Segundo a Secretaria de Saúde, "apesar de reiterados pedidos ao Ministério da Saúde, não há previsão de quando novos aportes da vacina serão enviados pelo Governo Federal para retomar a vacinação dessa faixa etária".

Lava Jato RJ: seis anos depois, dos 300 presos apenas o ex-governador Sérgio Cabral segue na cadeia

A vacinação de crianças de 5 a 11 anos, no entanto, segue operante. A faixa etária está elegível a receber a vacina Pfizer pediátrica que segue sem alteração no repasse de remessas.

O Rio de Janeiro está entre os quatro estados brasieliros onde houve aumento nos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) causadas pelas Covid-19, segundo a última edição do Boletim InfoGripe, da Fiocruz, divulgado no último dia 10. Além do Rio de Janeiro, a doença cresceu também nos estados do Amazonas, Rio Grande do Sul e São Paulo.