Covid-19: Variante sul-africana detectada em Sorocaba é a que apresenta maior resistência à vacina, diz governo

João de Mari e Anita Efraim
·2 minuto de leitura
RIO DE JANEIRO, BRAZIL â APRIL 01- A medical worker injects a dose of coronavirus (COVID-19) vaccine at the Museum of Tomorrow, a tourist spot in the city's port area on April 01, 2021. Brazil registers 3,769 deaths this Thursday, Covid-19: Brazil registers 3,769 deaths in 24 hours. (Photo by Fabio Teixeira/Anadolu Agency via Getty Images)
Segundo o diretor do Instituto Butantan, Dimas Cova, trata-se de uma variante que até agora apresentou a "maior resistência a neutralização das vacinas" contra o coronavírus (Foto: Fabio Teixeira/Anadolu Agency via Getty Images)
  • O governo de São Paulo afirmou que a variante do coronavírus da África do Sul, encontrada em uma paciente em Sorocaba (SP), é preocupante por apresentar maior resistência a neutralização das vacinas contra a Covid

  • Governo teme que transmissão tenha ocorrido de maneira comunitária, já que a paciente não teve contato com pessoas que viajaram para a África do Sul

  • Variante pode ser "uma evolução da nossa P1, em direção a essa nova mutação da África do Sul"

O governo de São Paulo voltou a falar, nesta quarta-feira (7), da variante sul-africana da Covid-19 identificada em um paciente de 34 anos, que vive Sorocaba, no interior do estado. 

Segundo o diretor do Instituto Butantan, Dimas Cova, trata-se de uma variante que até agora apresentou a "maior resistência a neutralização das vacinas" contra o coronavírus.

Leia também

"É uma variante que preocupa. É a que apresenta maior resistência a neutralização das vacinas. Todas as vacinas usadas, as principais, apresentaram redução de neutralização contra essa variante", afirmou Covas.

Dimas Tadeu Covas, director of the Butantan Institute, speaks during a press conference regarding the Sinovac COVID-19 vaccines test results, at headquarters of the Butantan Institute in Sao Paulo, Brazil, Wednesday, Dec. 23, 2020. Brazil is closer to getting its first COVID-19 vaccine, as phase 3 trials for a shot made by Chinese biopharmaceutical firm Sinovac have surpassed the 50% efficacy threshold imposed by the country's sanitary agency, said Covas. (AP Photo/Carla Carniel)
Nesta quarta, porém, o governo de São Paulo chamou atenção para a possível transmisssão da variante por meio comunitário (Foto: AP Photo/Carla Carniel)

Na semana passada, Covas havia afirmado que o instituto fez o sequenciamento genético do caso e tinha concluído que existe a possibilidade de que seja "uma evolução da nossa P1, em direção a essa nova mutação da África do Sul".

Nesta quarta, porém, o governo de São Paulo chamou atenção para a possível transmisssão da variante por meio comunitário.

"A pessoa que apresentou a variante em Sorocaba não apresentava vínculo com pessoas que foram à África do Sul, o que pode representar uma transmissão comunitária", afirmou o diretor do Instituto Butantan.

Variante originada em Manaus

O caso está sendo tratado pelo governo como "autóctone". Ou seja, a pessoa infectada não viajou para a África do Sul, tampouco teve contato com algum viajante.

Tanto a P.1, variante do coronavírus originada em Manaus, quanto a variante sul-africana são mais transmissíveis que a versão original do coronavírus causador da Covid-19. 

A circulação da variante P.1 tem sido apontada como um dos fatores responsáveis pelo agravamento da pandemia de Covid-19 no Brasil.