Covid-19: veja como agendar novos testes de diagnóstico na rede municipal, com início nesta terça-feira

O Globo
·4 minuto de leitura

RIO — A Prefeitura do Rio começou, nesta segunda-feira, dia 11, o agendamento para testes de Covid-19. Moradores da capital que apresentarem sintomas da doença podem solicitar a marcaçao do exame pela central telefônica 1746 e pelo aplicativo RIO-COVID 19, disponível apenas para aparelhos Apple — no momento ainda não habilitado para a versão para Android. Os testes, segundo a Secretaria municipal de Saúde (SMS), terão início na terça-feira, dia 12.

Quem tiver sintomas do novo coronavírus deve fazer a autonotificação, através dos canais de comunicação indicados, e preencher uma ficha relatando o que está sentindo. O questionário será analisado, e a pessoa receberá o retorno da equipe de saúde da família.

Se houver iindicação, o teste será agendado para a unidade de Atenção Primária (clínicas da família ou centros municipais de saúde) mais próxima da casa da pessoa. Caso não haja indicação, a pessoa receberá orientações de um profissional de saúde.

Teste rápido

A prefeitura recebeu neste domingo, dia 10, um lote com 10 mil testes rápidos de antígeno Covid-19, ainda não usados no estado. As remessas estão em distribuição hoje, e o público poderá iniciar a testagem a partir de amanhã. Este tipo é aplicado para casos em que o vírus está ativo. No momento do cadastro, será preciso fazer uma autonotificação e declarar quais são os sintomas presentes.

O teste de antígeno é capaz de detectar a proteína do nucleocapsídeo viral do novo coronavírus. Caso o resultado seja positivo, significa infecção viral ativa. O modelo faz uso do swab nasal, cotonete para colher material do fundo do nariz. O resultado sai em 15 minutos após a coleta, sem a necessidade de laboratório.

Como agendar

1746: através do canal de atendimento, o cidadão deverá relata quais sintomas está sentindo no momento

Aplicativo:

O morador deve digitar o CEP de onde reside;Informar o bairro, o CPF, o nome, a data de nascimento e o sexo;Informar peso e altura;Informar e-mail e celular. A pessoa vai recer um SMS com código para validação;Informar se faz parte do grupo de risco, se está grávida ou se tem comorbidades, como diabetes, hipertensão ou obesidade, asma, doença no rim ou fígado;Dizer a data de início dos sintomas;Em uma lista, marcar os sintomas que teve como tosse, febre acima de 38 graus, dor de garganta, falta de ar, dores musculares, diarreia, dor de barriga, perda de apetite, perda do olfato (cheiro), náusea ou vômito;Caso haja algum outro sintoma, também deve ser informado;Responder se realizou exame PCR previamente;Enviar.

Segundo a SMS, as unidades de saúde continuarão realizando os testes PCR e imunológico. "A decisão de que tipo de exame realizar em cada caso é da equipe de saúde, com base na indicação clínica do paciente a ser testado", informa.

Mapeamento de dados

A Secretaria municipal de Saúde (SMS) pretende identificar surtos específicos pelos bairros e direcionar ações de bloqueio, o que pode significar fechamento de estabelecimentos. A meta é testar 450 mil pessoas. Por enquanto, chegaram 10 mil testes rápidos, doados pelo grupo União Rio, e a meta é conseguir outros 440 mil, em negociações com setor privado, e governos estadual e federal.

O epidemiologista da UFRJ Roberto Medronho avalia como positiva a chegada de mais testes, com resultados rápidos, para a capital. Segundo o especialista, a ampliação da testagem ajudará a se conhecer o quadro real da pandemia no Rio.

— Em relação aos testes, é um avanço. Nós precisamos testar muito as pessoas. Veja que, com uma tecnologia simples, nós podemos, em tempo real, saber o que está acontecendo porque a subnotificação e o retardo na notificação prejudicam muito as estimativas em relação à incidência da doença e o cálculo do R (índice que mostra a propagação dos casos). Com esses dados, eles nos ajudarão nessa estimativa do risco da ocorrência do vírus na nossa comunidade — disse Medronho em entrevista ao "Bom Dia Rio", da TV Globo, nesta segunda-feira, dia 2.

A maior testagem também trará impacto direto no aumento do índice de casos na cidade, já que atualmente existe subnotificação de dados:

— Esse R é subestimado porque ele leva em conta apenas as notificações. Quanto mais ampliar, eu posso te assegurar que esse R elevará bastante — concluiu.