Cozinheiro que assassinou duas mulheres tem “perfil de psicopata”, diz delegada

Marinésio foi preso no sábado, após imagens de uma câmera de segurança mostrarem Letícia entrando no carro dele - Foto: Divulgação/Polícia Federal

Resumo da notícia

  • Assassino confessou os dois crimes

  • Mulher reconheceu o homem de tentativa de estupro

O cozinheiro desempregado Marinésio dos Santos Olinto, de 41 anos, confessou ter assassinado duas mulheres em Planaltina, Distrito Federal. A primeira foi a auxiliar de cozinha Genir Pereira Sousa, 47 anos, que desapareceu em 2 de junho e foi encontrada morta 10 dias depois. A segunda vítima foi a advogada Letícia Sousa Curado de Melo, de 26 anos, que sumiu na última sexta-feira (23) e cujo corpo foi encontrado na segunda-feira. A Polícia Civil do Distrito Federal acredita estar lidando com um “perfil de psicopata”.

Marinésio abordou as duas no mesmo ponto de ônibus, oferecendo transporte pirata. Uma vez no veículo, o homem assediou Letícia e Genir sexualmente, e as duas foram estranguladas após reagir. Ele também roubou o dinheiro que as vítimas tinham na bolsa.

Leia também:

Depois da confissão, uma jovem de 23 anos foi até a delegacia e relatou que também foi atacada pelo homem na noite de 11 de agosto. A ocorrência seguiu o mesmo padrão: ele se passou por motorista de transporte pirata e, no meio do caminho, passou a mão na perna dela. Desesperada, a mulher abriu a porta do carro e saltou do veículo em movimento. Marinésio fugiu, e ela decidiu não registrar boletim de ocorrência. Agora, policiais procuram outras vítimas de sequestro, estupro e estrangulamento na região.

Marinésio foi preso no sábado, após imagens de uma câmera de segurança mostrarem Letícia entrando no carro dele. A princípio, ele negou as acusações, mas confessou o crime na segunda-feira (26) depois de policiais mostrarem que encontraram o telefone celular, a pochete e o relógio da advogada na picape.

Ele contou que, quando abordou a vítima, tinha acabado de deixar a filha de 16 anos na escola. Acompanhado de sua advogada, levou os investigadores até o matagal onde deixou os corpos das duas vítimas.

“Ele mata por nada. É importante submetê-lo a um profissional que faça um perfil psicológico dele. Ele foge ao padrão de qualquer homicida. É um perfil de psicopata”, comentou a delegada Jane Klebia.

Marinésio já está em prisão preventiva.