CPI: Copa América é 'evento pequeno' e sem 'risco adicional', diz Queiroga

·3 minuto de leitura
Brazil's Health Minister Marcelo Queiroga walks before a meeting of the Parliamentary Inquiry Committee (CPI) to investigate government actions and management during the coronavirus disease (COVID-19) pandemic, at the Federal Senate in Brasilia, Brazil June 8, 2021. REUTERS/Adriano Machado
Queiroga disse que somente avaliou e aprovou os protocolos sanitários aplicados pela Conmebol e da CBF. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que a realização da Copa América no Brasil não representa um "risco adicional" para transmissão do novo coronavírus no país por se tratar de um "evento pequeno". 

A avaliação foi feita pelo integrante do governo Jair Bolsonaro durante seu segundo depoimento na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado, nesta terça-feira (8), um mês depois de prestar depoimento pela primeira vez, em 6 de maio.

Leia também

Após desistências da Colômbia e da Argentina de sediar a competição, o Brasil tem sido alvo de críticas ao se oferecer para realizar o evento no momento em que o país registra elevados números de contágio e mortes por Covid-19.

Queiroga negou que tenha "dado aval" para a realização ou não torneio, e disse que somente avaliou e aprovou os protocolos sanitários aplicados pela Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) e da CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

"O esporte está liberado no Brasil e não existe provas de que essa prática aumenta o nível de contaminação dos atletas. Qualquer jogador para entrar no Brasil precisa fazer o exame RT-PCR. Pedi para diretora do Departamento de Ciência e Tecnologia para fazer uma revisão sistemática da literatura e não consta que essa prática (da Copa América) aumente a circulação do vírus que possa colocar em risco a vida dos jogadores ou dos membros da comissão", afirmou o ministro.

Em seguida, Queiriga foi questionado pelo relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), se o percentual de vacinados no Brasil foi levado em consideração pelo Ministério da Saúde como critério para realização de um "evento esportivo de grandes proporções no Brasil". 

"Esse evento não é um evento de grandes proporções. É um evento pequeno. A Copa América é um evento pequeno, com um número pequeno de pessoas. Não é uma Olimpíada. Os protocolos que foram apresentados são seguros e que permitem dizer que, se forem cumpridos, não teremos riscos adicionais aos jogadores que participam dessa competição", argumentou Queiroga.

2º DEPOIMENTO DE QUEIROGA NA CPI

Médico e presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Queiroga é o quarto ministro à frente da pasta durante a gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ele assumiu o ministério em março deste ano, após a saída do ex-ministro Eduardo Pazuello e em meio a um pico de mortes e contaminações por covid-19.

Queiroga foi reconvocado para depor na CPI da Covid porque os senadores consideraram que suas respostas em 6 de maio contiveram muitas contradições e não esclareceram os pontos investigados. O médico se recusou a responder diversas perguntas de maneira objetiva, o que irritou senadores.

O senador e presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), chamou a atenção do ministro diversas vezes, pedindo para que respondesse sem fugir do assunto. "O senhor é testemunha, tem que responder 'sim' ou 'não'", disse Aziz.

Depois do depoimento, Aziz afirmou que fala do ministro foi uma "grande decepção" e aprovou, algumas semanas depois, a sua reconvocação.

Entenda as principais dúvidas e as perguntas não respondidas que levaram ao segundo depoimento do atual ministro da Saúde à CPI da Covid.