CPI da Covid: TCU desmente declaração de Pazuello sobre compra de vacinas

·1 minuto de leitura
Brazilian former Minister of Health and general of the Brazilian Army, Eduardo Pazuello (L), speaks next to Brazilian Senators Omar Aziz (C) and Renan Calheiros (R), respectively chairman and rapporteur of the Parliamentary Committee of Inquiry that will investigate the government's handling of the coronavirus pandemic, during a session in Brasilia on May 19, 2021. (Photo by Sergio Lima / AFP) (Photo by SERGIO LIMA/AFP via Getty Images)
Foto: SERGIO LIMA/AFP via Getty Images
  • Ex-ministro afirmou que Tribunal havia desaconselhado a aquisição de imunizantes.

  • Mensagem foi enviada pelo TCU e lida por Renan Calheiros durante sessão.

Durante a sessão da Comissão Parlamente de Inquérito (CPI) da Covid desta quarta-feira (19), o Tribunal de Contas da União (TCU) enviou uma mensagem ao relator, Renan Calheiros. A mensagem, lida durante a sessão, desmente o depoente, ex-ministro Eduardo Pazuello, que afirmou que o tribunal havia se posicionado contra contratos de aquisição de vacinas.

O TCU declarou que nenhum parecer do tipo foi editado e que, na verdade, foi recomendada a compra de imunizantes, em face da crise sanitária causada pela pandemia.

"Recebi aqui mensagem on-line do TCU afirmando que nunca se manifestou contra a aquisição de vacinas", declarou Renan Calheiros durante a sessão.

Leia também

O ex-ministro respondeu afirmando haver um “equívoco” e que ele, na realidade, se referia a parecer da Controladoria-Geral da União (CGU). O senador Eduardo Braga (MDB-AM) então desmentiu novamente Pazuello.

"A própria CGU reconhece que o projeto de lei resolvia o problema", afirmou o senador, lembrando de projeto que facilitou a compra de insumos. “Lamentavelmente, vemos mais uma vez essa justificativa de equívoco”, completou.