CPI da Covid: após MDB indicar Renan, PP e Republicanos ameaçam deixar bloco no Senado

Paulo Cappelli
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — Após o MDB reivindicar a prerrogativa de ser o maior partido do Senado e indicar Renan Calheiros (MDB-AL), crítico do governo, para a relatoria da CPI da Covid, PP e Republicanos, legendas alinhadas ao Planalto, ameaçam deixar o bloco que integram com o MDB no Parlamento. A costura para retirar os partidos do bloco é feita pelo senador Flávio Bolsonaro (Republicanos).

— Conversei com os senadores Ciro Nogueira (PI) (presidente nacional do PP) e Messias de Jesus (RR), líder do Republicanos. O Republicanos (partido de Flávio) decidiu deixar o bloco que compõe com o MDB, e o Ciro me disse que também deverá deixar o bloco. Não vamos nos enturmar com senadores que querem botar fogo no Brasil usando a pandemia. Renan disse em entrevista (ao GLOBO) que Bolsonaro 'errou e se omitiu' na pandemia. Ou seja, ele já tem um pré-julgamento — afirmou Flávio Bolsonaro.

Procurado pelo GLOBO, Ciro Nogueira confirmou a conversa com Flávio, mas disse que ainda estuda a possibilidade de deixar o bloco com o MDB.

Segundo o regimento interno da Casa, esses blocos servem de base para a divisão dos cargos da Mesa Diretora pelos próximos dois anos e de parâmetro para a distribuição das vagas nas comissões pelos próximos quatro anos.