CPI da Covid: cloroquina volta à pauta com Queiroga e nova discussão acontece

·3 minuto de leitura
FILE - In this March 24, 2021 file photo, Brazil's new Health Minister Marcelo Queiroga adjusts his protective face mask before the start of a press conference, at the presidential residence Alvorada Palace in Brasilia, Brazil. Queiroga, the fourth man to occupy the health ministry post during the COVID-19 pandemic, is a doctor who speaks about the need to boost vaccine supply, consults with scientists and has so far displayed the autonomy to promote mask use and social distancing. (AP Photo/Eraldo Peres, File)
Pressionado por diversas vezes, Queiroga fugiu do embate e alegou "questão técnica" para não responder se compartilha ou não com "a opinião do presidente sobre a cloroquina". (Foto: AP Photo/Eraldo Peres, File)

Em depoimento à CPI da Covid no Senado, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, evitou ao máximo responder diretamente se é favorável ou não ao uso da cloroquina contra a Covid-19, medicamento comprovadamente ineficaz no combate à doença. 

Pressionado por diversas vezes pelos senadores, na manhã desta quinta-feira (6), Queiroga fugiu do embate e alegou "questão técnica" para não responder se compartilha ou não com "a opinião do presidente sobre a cloroquina".

Leia também

A evasão na resposta virou motivo de discussão entre os parlamentares da Mesa Diretora e da base de apoio do governo de Jair Bolsonaro.

Após dizer que não recebeu orientação expressa ou velada do presidente para uso da cloroquina como "tratamento precoce", o ministro foi perguntado pelo relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), se compartilhava da opinião de Bolsonaro sobre a suposta eficácia do medicamento contra a Covid.

"Senador, essa é uma questão técnica e que tem que ser enfrentada pela Conitec...", disse Queiroga, sendo interrompido por Calheiros: "Eu perguntei ao senhor. A Conitec virá na sequência", argumento o relator.

Senators attend a meeting of the Parliamentary Inquiry Committee (CPI) to investigate government actions and management during the coronavirus disease (COVID-19) pandemic, at the Federal Senate in Brasilia, Brazil May 6, 2021. REUTERS/Adriano Machado
Senadores participam de reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar ações e gestão do governo durante a pandemia da doença coronavírus (COVID-19), no Senado Federal em Brasília, 6 de maio de 2021. (Foto: REUTERS / Adriano Machado)

Ao ser nomeado por Bolsonaro, em março deste ano, o ministro da Saúde pediu que a Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia no SUS) analisasse as evidências científicas existentes com relação ao uso de medicamentos como cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina e outros. 

A intenção é que o órgão elabore um protocolo autorizando ou não a utilização de tais remédios contra a Covid-19. Até agora, não há uma conclusão sobre o pedido.

"Ministro Queiroga, acho que o senhor não entendeu sua posição aqui. O senhor é testemunha, tem que dizer 'sim' ou 'não'. Agora dizer que vai dizer que não pode falar porque não sei o que...O senhor está aqui como ministro da Saúde, e como médico. Eu peço para vossa excelência responder, se não vamos encerrar a sessão agora e não vou nem continuar", interpelou o senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI.

Novamente questionado, o ministro fugiu da resposta e ouviu de Calheiros: "Então, não compartilha? Então, tecnicamente, o senhor não compartilha". 

Brazilian Senator Renan Calheiros speaks during a news conference after a meeting of the Parliamentary Inquiry Committee (CPI) to investigate government actions and management during the coronavirus disease (COVID-19) pandemic, at the Federal Senate in Brasilia, Brazil April 27, 2021. REUTERS/Adriano Machado  REFILE - CORRECTING NEWS CONFERENCE TIMING
Relator da CPI, senador Renan Calheiros pressionou para que Queiroga respondesse objetivamente às questões. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Linha de frente do Planalto na CPI, o senador Marco Rogério (DEM-RO) saiu em defesa de Queiroga. "A resposta é do depoente, senador. Não cabe construir a resposta do depoente". Em seguida, Rogério alegou que Calheiros tentava "induzir" a resposta do ministro.

"Não, senhor. Não, senhor. Até minha filha de 12 anos falaria 'sim' ou 'não'", interveio Aziz. 

Vice-presidente da CPI, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AM) classificou as falas de Rogério como "clara tentativa de obstrução". 

A discussão só chegou ao fim após os parlamentares divergirem sobre as conclusões da ciência a respeito da cloroquina. 

"Presidente, eu vou passar para a pergunta seguinte porque confesso que não conseguimos a resposta com relação a essa", finalizou Calheiros.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos