CPI da Covid: 'Não recebi ordem para não comprar a Coronavac', diz Elcio Franco

·1 minuto de leitura
Ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Elcio Franco, em depoimento à CPI da Covid
Ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Elcio Franco, em depoimento à CPI da Covid (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
  • Elcio Franco afirmou que não recebeu ordem para interromper as negociações com o Instituto Butantan após fala de Bolsonaro

  • Presidente disse que “mandou cancelar” o protocolo de intenções de compra de 46 milhões de doses da Coronovac

  • Em depoimento à CPI da Covid, Dimas Covas disse que tratativas foram paralisadas após fala de Bolsonaro

Na CPI da Covid, o ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Élcio Franco afirmou que não recebeu ordem para interromper as negociações com o Instituto Butatan, após a fala do presidente Jair Bolsonaro de que “já mandou cancelar” o protocolo de intenções de compra de 46 milhões de doses da Coronovac, vacina do laboratório chinês Sinovac e desenvolvida no Brasil pelo Instituto Butantan, em São Paulo.

"Não recebi ordem para interromper. As tratativas continuaram", disse Elcio Franco.

Leia também

O relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), insistiu: "Entendeu a manifestação do presidente como ordem ou gracejo de internet?".

"Não tornei sem efeito a carta de intenção de aquisição de doses do Butantan. As tratativas não pararam. Continuamos cobrando do Butantan dados técnicos dos estudos clínicos”, destacou Franco.

O ex-ministro Eduardo Pazuello também negou que o presidente tenha dado ordens para não comprar a Coronavac, apesar do vídeo em que ele diz “é simples assim: um manda e o outro obedece”, após a fala de Bolsonaro sobre a compra de doses da Coronavac.

Em sua fala na CPI, Dimas Covas, diretor do Butantan, explicou sobre que o instituto já havia recebido uma "sinalização positiva" do Ministério da Saúde para oferecimento de 100 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, mas as tratativas foram paralisadas após o presidente Jair Bolsonaro afirmar que mandou cancelar a compra da CoronaVac.