CPI da Covid: 'Omissões e ações erráticas do governo não podem mais passar incólumes', diz plano de trabalho

Paulo Cappelli e Julia Lindner
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA - O plano de trabalho a ser divulgado pelo relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL), nesta quinta-feira, afirma que 'omissões e ações erráticas do governo não podem mais passar incólumes'. O documento obtido pelo GLOBO ressalta que o colegiado tem objetivo de identificar se agentes públicos cometeram crime comum ou de responsabilidade. O planejamento prevê ainda seis temas principais a serem destrinchados pela comissão parlamentar de inquérito.

"Com o recrudescimento da Covid-19 em dezembro de 2020 e janeiro de 2021, as omissões e ações erráticas do Governo Federal não podem mais passar incólumes ao devido controle do Poder Legislativo", diz trecho do plano de trabalho de Renan Calheiros, que recebeu contribuições de outros quatro senadores que se propuseram a participar da construção do texto.

O planejamento prevê seis temas a serem destrinchados pela comissão parlamentar de inquérito:

1- Ações de enfrentamento à Pandemia, o que inclui vacinas e outras medidas como a distribuição de meios para proteção individual, estratégia de comunicação oficial e o aplicativo TrateCOV;

2- Assistência farmacêutica, com a produção e distribuição de medicamentos sem comprovação

3- Estruturas de combate à crise;

4- Colapso no sistema de saúde no Amazonas;

5- Ações de prevenção e atenção da saúde indígena;

6- Emprego de recursos federais, que inclui critérios de repasses de recursos federais para estados e municípios, mas também ações econômicas como auxílio emergencial.

Sem intenção, o Planalto acabou ajudando a CPI a definir estratégias de investigação. Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que a comissão analisou os 23 pontos de defesa elaborados pelo governo federal que foram vazados e, a partir deles, acrescentou pontos que inicialmente estavam fora do escopo da CPI. Entre eles, a questão do elevado número de mortes de índios em decorrência da pandemia.

Em tom de brincadeira, Renan Calheiros também comentou o documento elaborado pela Casa Civil de Bolsonaro.

— Pedi para olharem bem as 23 perguntas do governo para que não deixassem nenhuma de fora.