CPI da Covid ouve nesta quarta-feira o ex-governador do Rio Wilson Witzel

·2 minuto de leitura
Foto: CARL DE SOUZA/AFP via Getty Images
Foto: CARL DE SOUZA/AFP via Getty Images
  • Ex-governador conseguiu autorização para não ir à CPI, mas garantiu que estará presente

  • Witzel deve ser questionado sobre supostos desvios na área da Saúde fluminense

  • Ex-governador chegou a relacionar sua saída do cargo à suposta pressão por parte de Bolsonaro

A programação de depoimentos na CPI da Covid segue hoje com a participação do ex-governador do Rio Wilson Witzel, que perdeu o cargo após um processo de impeachment motivado por acusação de crime de responsabilidade por suposto esquema de corrupção na área da Saúde. 

O ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou ontem o não comparecimento de Witzel. Apesar da decisão, o ex-governador, que está em Brasília, confirmou que irá depor à comissão.

Leia também:

A participação de Witzel está marcada para às 9h. A expectativa dos parlamentares é que, na sessão de hoje, o ex-governador faça referências negativas ao presidente Jair Bolsonaro, já que ambos são inimigos políticos declarados. O ex-governador chegou a relacionar sua saída do cargo à suposta pressão por parte de Bolsonaro.

Presença de bilionário ainda é dúvida

Amanhã, está previsto o depoimento do empresário Carlos Wizard. Ele está nos Estados Unidos acompanhando o tratamento médico de um parente. Advogados de Wizard tentaram, sem sucesso, que o depoimento fosse remoto.

Também amanhã, está marcado o depoimento do auditor do Tribunal de Contas da União (TCU) Alexandre Marques. O TCU enviou à Polícia Federal um pedido para que seja aberto inquérito policial destinado a apurar possíveis crimes praticados por Marques. O auditor é o autor do estudo paralelo que questionava o número de mortos por Covid-19 no Brasil citado por Bolsonaro recentemente e desmentido pelo tribunal. O pedido de abertura de inquérito foi assinado pela presidente do TCU, Ana Arraes, encaminhado diretamente ao diretor-geral da PF, Paulo Maiurino.

Na sexta-feira, será a vez das audiências com os médicos Ricardo Ariel Zimerman e Francisco Eduardo Cardoso Alves, favoráveis ao tratamento precoce contra a Covid-19.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos