CPI da Covid: Queiroga diz que há negociações com dois laboratórios chineses produtores de vacinas

·1 minuto de leitura

RIO — O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou à CPI nesta terça-feira que há negociações com dois laboratórios chineses que fazem vacinas contra a Covid-19. Até o momento, o Ministério da Saúde já adquiriu doses da CoronaVac, que foi desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e, no Brasil, é produzido pelo Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo.

— Buscamos adquirir mais doses. Sendo possível, teremos a Cansino. A Sinopharm é parecida com a CoronaVac, e também existem negociações — disse o ministro.

Durante seu depoimento, Queiroga defendeu a vacinação e afirmou que uma campanha eficaz é a saída para superar a pandemia. Ele destacou que já foram distribuídas 105 milhões de doses aos estados e municípios, mas apenas cerca de 30% da população adulta recebeu até o momento a primeira dose, e somente 14% recebeu as duas.

O depoente reconheceu que a vacinação não está no ritmo que desejaria e pontou duas razões: houve atraso no envio de insumos produzidos na China ao Brasil; e a imunização de pessoas com outras doenças foi em um ritmo mais devagar.

No entanto, o ministro afirmou que seu compromisso é acelerar o processo no Brasil, e destacou que está sendo veiculada uma campanha publicitária para que a população não apenas se imunize, como também adote as chamadas medidas não farmacológicas, como o uso de máscara e o distanciamento social.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos