CPI da Covid: Senadores criam núcleo para investigar atuação de Flávio Bolsonaro em hospitais do RJ

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Senator Flavio Bolsonaro looks on after a meeting of the Parliamentary Inquiry Committee (CPI) to investigate government actions and management during the coronavirus disease (COVID-19) pandemic, at the Federal Senate in Brasilia, Brazil June 16, 2021. REUTERS/Adriano Machado
Flávio Bolsonaro deve ser investigado pela CPI por suspeita de corrupção em hospitais federais no Rio de Janeiro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
  • CPI terá novo núcleo dedicado à investigar possíveis casos de corrupção nos hospitais federais do RJ

  • Flávio Bolsonaro é um dos principais alvos da apuração

  • Senador nega qualquer envolvimento; denúncia foi feita por Wilson Witzel

A CPI da Covid no Senado vai criar um núcleo que vai apurar exclusivamente possíveis irregularidades em hospitais federais do Rio de Janeiro. Um dos focos da investigação é o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ). As informações são do jornal O Globo.

A suspeita é que o parlamentar e filho do presidente Jair Bolsonaro tenha conexões com nomeações de cargos nos hospitais do Rio e com organizações sociais que atual na área.

Leia também:

A CPI quer recrutar agentes da Polícia Federal e terá consultores para avaliarem os contratos das gestões ligadas aos hospitais federais fluminenses. Segundo O Globo, ideia de criar uma nova área de investigação surgiu na última quinta-feira (15), sob a justificativa de que “faltam braços” dentro da própria comissão, que já apura dos casos Covaxin e Davati.

A suspeita de irregularidades surgiu após a CPI ouvir o ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel. Agora, a comissão deve apurar se os diretores nomeados por Flavio Bolsonaro cometerem irregularidades. Witzel e o senador já foram aliados, até o ex-governador romper com a família Bolsonaro.

Segundo documentos recebidos pela CPI, o senador tem relações com o empresário Edson Torres. Ele confessou ter participado de esquemas de corrupção envolvendo hospitais do Rio de Janeiro. Agora, a comissão quer destrinchar os negócio do empresário.

Flávio Bolsonaro nega qualquer irregularidade e acusa a CPI de ter objetivos políticos, como desgastar o governo de Jair Bolsonaro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos