CPI da Pandemia: deputado Ricardo Barros passa a ser investigado

·2 minuto de leitura
O relator da CPI da Pandemia, senador Renan Calheiros (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
O relator da CPI da Pandemia, senador Renan Calheiros (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
  • Líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), terá seu nome incluído na lista de investigados pela CPI da Pandemia

  • Em junho, foi divulgada uma lista de 14 pessoas que passariam a ser investigadas pela comissão

  • Barros prestou depoimento na semana passada

O relator da CPI da Pandemia, senador Renan Calheiros (MDB-AL), informou que o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), terá seu nome incluído na lista de investigados pela comissão. 

"Nós estamos agregando o nome do Ricardo Barros aos nomes já investigados em função dos óbvios indícios de sua participação nessa rede criminosa que tentava vender vacina através de atravessadores", anunciou em conversa com jornalistas antes da sessão desta quarta-feira (18) da CPI.

Em junho, o senador divulgou uma lista de 14 pessoas que passariam a ser investigadas pela comissão e, agora, mais um nome irá constar no documento.

Leia também:

A mudança da condição do depoente permite, na prática, que o colegiado possa adotar medidas como ações de busca e apreensão. 

Renan Calheiros disse ainda que o relatório final deverá ser apresentado na segunda quinzena de setembro. "Eu não sei se conseguiremos, mas eu vou efetivamente me dedicar a isso. Nós precisamos ouvir ainda doze depoimentos e precisamos quebrar, transferir e obter informações de todos os requerimentos necessários à investigação que precisam ser aprovados", ressaltou.

Depoimentos da semana

<p>Em entrevista ao Yahoo! Notícias, o presidente da CPI da Pandemia, senador Omar Aziz (PSD-AM), falou sobre como serão os trabalhos da comissão nas próximas semanas, com o aprofundamento das revelações já feitas até o momento, e também sobre o cenário político do país diante das declarações e atitudes do presidente Jair Bolsonaro e de seus apoiadores.</p>
Em entrevista ao Yahoo! Notícias, o presidente da CPI da Pandemia, senador Omar Aziz (PSD-AM), falou sobre como serão os trabalhos da comissão nas próximas semanas, com o aprofundamento das revelações já feitas até o momento, e também sobre o cenário político do país diante das declarações e atitudes do presidente Jair Bolsonaro e de seus apoiadores

Nesta quinta-feira (19), a CPI irá ouvir Francisco Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos. Em entrevista ao Yahoo! Notícias, o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), ressaltou que "a novidade é quem são as pessoas responsáveis por esses fatos".

"A Precisa não é fato novo. Não dá para esperar que o Maximiano chegue lá e conte para a gente tudo aquilo que vocês estão esperando", afirmou o senador ao falar sobre a audiência com Maximiano, que foi adiada outras vezes.

"Ele vai tentar fugir, vai tentar negar, vai tentar não contar. Mas nós temos que ter habilidade pra tentar tirar o máximo possível. Então, não tem mais novidade em relação aos fatos que ocorreram em relação à pandemia. A novidade é quem são as pessoas responsáveis por esses fatos", detalhou o senador.

O presidente da CPI da Pandemia afirmou ainda que espera que os trabalhos da comissão sejam encerrados até o mês de outubro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos