CPI do derramamento de óleo aprova convite para três ministros do governo

Gabriel Shinohara
Limpeza do óleo que chegou à praia do Rio Vermelho, em Salvador, no início de novembro

BRASÍLIA - A CPI do derramamento de óleo aprovou, nesta quinta-feira, o convite para os ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, Meio Ambiente, Ricardo Salles e da Defesa, Fernando Azevedo. Como foram requerimentos de convite, os ministros não são obrigados a comparecer.

Além dos ministros, a comissão também aceitou requerimentos para o convite para o comandante da Marinha, Ilques Barbosa Júnior, o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo e representantes da ONG Greenpeace.

Requerimentos para o convite dos diretores da Agência Nacional de Águas (ANA), Christianne Dias, da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Décio Oddone, do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Eduardo Bim e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Homero Cerqueira também foram aprovados.

Os parlamentares também aceitaram a realização de uma audiência pública com representantes do Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), que supervisiona o caso do derramamento de óleo no Nordeste. O grupo é formado pela Marinha, Ibama e a Agência Nacional de Petróleo (ANP).

Fora os convites, a Comissão aprovou a realização de seminários regionais e audiências públicas em todas as capitais do Nordeste. Além disso, a CPI também vai pedir que a Polícia Federal, Marinha e o GAA envie documentação relacionada ao caso.

A Comissão foi instalada na quarta-feira e teve sua segunda reunião nesta quinta. O presidente é o deputado Herculano Passos (MDB-SP) e a relatoria ficou com João H. Campos (PSB-PE), que também foi o autor do requerimento de criação da CPI.