CPI dos Incêndios na Alerj denuncia nove por homicídio culposo no CT do Flamengo

O Globo
·2 minuto de leitura

Nove pessoas apontadas como responsáveis pelo acidente que matou dez jogadores da base do Flamengo em 2019 tiveram o pedido de indiciamento feito pela Comissão Parlamentar de Inquérito da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, que se destina a apurar os casos de incêndio no estado do Rio. A informação foi publicada inicialmente pelo ge.

Segundo o documento, ao qual o GLOBO teve acesso, os citados concorrem para o crime de homicídio culposo, que teve como motivação diversas irregularidades estruturais e elétricas e a falta de manutenção no aparelho de ar-condicionado de um dos dormitórios. Quatro representantes da NHJ, empresa que alugava os contêiners, e quatro do Flamengo, constam entre os denunciados, além de um técnico em refrigeração.

O ex-presidente Eduardo Bandeira de Mello, que havia sido indiciado pelo Ministério Público, não apareceu no relatório da CPI. Assim como os atuais presidente e vice-presidentes do Flamengo.

Confira a lista

- Márcio Garotti - ex-diretor financeiro do Flamengo

- Carlos Noval - ex-diretor da base do Flamengo, atual gerente detransição do clube

- Marcelo Sá - engenheiro do Flamengo

- Luiz Felipe Pondé - engenheiro do Flamengo

- Claudia Pereira Rodrigues - NHJ (empresa que forneceu oscontêineres)

- Weslley Gimenes - NHJ

- Danilo da Silva Duarte - NHJ

- Fabio Hilário da Silva - NHJ

- Edson Colman da Silva - técnico em refrigeração.

Após ouvir relatos de todos os envolvidos, a CPI concluiu que as principais causas do incêndio foram: Estrutura dos contêineres incompatível com a destinação(dormitórios); Diversas irregularidades estruturais e elétricas; Ausência da devida manutenção no aparelho de ar-condicionado; Material depreenchimento interno dos painéis dos contêineres que facilitou apropagação do incêndio; Ausência de saída de emergência e utilizaçãode portas de correr nos módulos sujeitas a travamento com o incêndio;Ausência de regularidade na autorização de funcionamento, e localinterditado e sem certificado de aprovação do Corpo de Bombeiros.