CPI investigará presidente do Peru por suposto tráfico de influência

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Parlamentares do Peru concordaram nesta quarta-feira em iniciar uma CPI e investigar o presidente Pedro Castillo em um caso de suposto tráfico de influências, sobre o qual o Ministério Público também abriu uma investigação no final de maio.

Conclusão: Tese do presidente Pedro Castillo é original, diz universidade do Peru

Mudança: Presidente peruano envia ao Congresso projeto de referendo sobre nova Constituição

América Latina: Baixa popularidade de presidentes abre caminho para crises de governabilidade na região

— Decidimos colocar o presidente Pedro Castillo sob condição de investigado para apontar possíveis responsabilidades criminais no relatório que vamos emitir — disse o presidente da Comissão de Fiscalização do Congresso, o opositor Héctor Ventura, do fujimorista Força Popular. — O presidente foi citado [como testemunha] em até três oportunidades e se mostrou relutante [em comparecer].

De fato, Castillo não se apresentou como testemunha nas três convocações feitas pela comissão parlamentar nos últimos meses.

— Há grandes indícios e suspeitas reveladoras de supostos atos de corrupção — disse Ventura.

O Ministério Público incluiu Castillo em uma investigação no mesmo caso, sobre supostos crimes de tráfico de influências, organização criminosa e conluio agravado.

Crise: Nas favelas do Peru, frango está fora do cardápio e restaurantes comunitários lutam contra a inflação

Trata-se da investigação do consórcio "Puente Tarata III", que busca determinar se um ex-ministro dos Transportes, seis parlamentares, um ex-secretário-geral da Presidência e dois sobrinhos de Castillo faziam parte de uma suposta rede criminosa chefiada pelo presidente para conceder um contrato de obras públicas.

O MP planeja interrogar Castillo em 17 de junho, enquanto os investigados do entorno presidencial estão escondidos após a emissão de uma ordem de prisão preventiva contra eles.

Embora a lei peruana não permita que um presidente seja processado enquanto estiver no poder, isso não impede que as investigações contra ele avancem. O mandato do presidente de esquerda vai até julho de 2026.

Castillo afirmou, em 30 de maio, que a promotoria iniciou uma "perseguição política" contra ele, mas no domingo concordou em cooperar e negou qualquer ato ilegal de sua parte.

— Vou colaborar, vou atender a convocação do procurador ou outras instâncias que tenham a ver com a investigação — disse o presidente, que está no cargo há quase 11 meses, durante entrevista à emissora estatal TV Peru, na qual descartou qualquer tentativa de evadir a Justiça. — Jamais vou me envolver em corrupção.

Enquanto isso, o advogado de Castillo, Benji Espinoza, buscava bloquear a investigação nesta quarta-feira perante um juiz, apelando à imunidade do presidente.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos