CPI quebra sigilos de Barros, Wassef e acusados de espalhar fake news

·1 minuto de leitura
Líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros, durante depoimento à CPI da Covid no Senado

BRASÍLIA (Reuters) - A CPI da Covid no Senado aprovou nesta quinta-feira a quebra dos sigilos fiscais do líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), do advogado da família Bolsonaro, Frederick Wassef, e ainda pediu dados fiscais e financeiros de responsáveis por sites identificados como disseminadores de fake news.

O requerimento de quebra de sigilo fiscal de Barros pede, em um prazo de dois dias corridos, a lista de empresas das quais ele participa, seja como administrador, gerente ou sócio, o faturamento e informações sobre notas fiscais, entre outros pontos.

No caso de Wassef, o requerimento de quebra de sigilo segue os moldes do que tinha Barros como alvo. Também foi aprovado pedido para que sejam enviados à CPI os registros de acesso e entrada nos prédios da Câmara dos Deputados e do Senado.

Os requerimentos ligados a pessoas vinculadas a sites apontados como disseminadores de notícias falsas aprovados nesta quinta pedem transferência de dados ao Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Segundo a Agência Senado, são alvos dos requerimentos os responsáveis por sites como o Instituto Força Brasil, Renova Mídia, Terça Livre, Jornal da Cidade Online, Conexão Política, Crítica Nacional, Senso Incomum, além de uma série de perfis em redes sociais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos