CPI quer pedir prisão preventiva de lobista que faltou a depoimento

·1 minuto de leitura
Senadores se reúnem na CPI para discutir próximos passos da sessão desta 5ª-feira

BRASÍLIA (Reuters) - A direção da CPI da Covid no Senado informou que pedirá a prisão preventiva do advogado Marconny Nunes Ribeiro Albernaz de Faria, lobista da Precisa Medicamentos, empresa envolvida na compra, cancelada, das vacinas Covaxin, e de possivelmente outras negociações irregulares no Ministério da Saúde, informou a agência Senado.

O advogado faltou ao depoimento previsto para esta quinta-feira na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). Por isso o pedido de prisão preventiva e de apreensão do passaporte de forma a evitar que ele saia do país.

O comando da CPI aponta o lobista como uma das peças-chave para as investigações sobre irregularidades envolvendo o Ministério da Saúde.

"Marconny não é o senhor do lobby da Precisa Medicamentos. Ele é o senhor de todos os lobbies. É dele a arquitetura ideal de como burlar um processo licitatório", apontou o vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), de acordo com a Agência Senado.

Marconny já havia apresentado um atestado médico para não comparecer à oitiva, mas o médico que concedeu o documento entrou em contato com o presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), dizendo estar desconfiado de uma simulação do paciente.

Por isso mesmo, já havia, segundo Randolfe, uma determinação de escolta à Polícia Legislativa para que ele comparecesse ao depoimento. Ainda de acordo com o vice-presidente do colegiado, a polícia do Senado está à procura da testemunha.

(Redação Brasília)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos